Diabetes: uma doença fora de controle

Segundo a Federação Internacional de Diabetes (IDF), a doença é responsável por 6,7 milhões de mortes em 2021

A Federação Internacional de Diabetes (IDF) informa que houve um aumento de 16% no número de novos casos de diabetes em adultos no mundo, sendo somente ela a responsável por 6,7 milhões de mortes no presente ano, o que demonstra uma falta extrema nas medidas de controle da doença, de acordo com dados preliminares do Atlas Diabetes 2021 – documento publicado anualmente pelo IDF e que contém o panorama por regiões, complicações e as ações de combate à doença.

A diabetes é causada pela produção insuficiente ou má absorção de insulina, hormônio que regula a glicose no sangue e garante energia para o organismo. Pode causar o aumento da glicemia e as altas taxas podem levar a complicações no coração, nas artérias, nos olhos, rins e nervos. Em casos mais graves, a doença pode levar à morte. Por ser silenciosa, muitos dos sintomas não são perceptíveis no início, o que muitas vezes agrava o quadro, na medida que o indivíduo não tem o diagnóstico e por isso não recebe tratamento adequado.

Entre os fatores que explicam o aumento de casos estão a desinformação, dificuldade no diagnóstico e falta de tratamento. Em países em desenvolvimento como o nosso, esses pontos são cruciais para um desfecho desfavorável. Além disso, o estilo de vida ruim, associado a má alimentação, é um grande fator de risco para a doença.

O aumento do diabetes é ainda mais preocupante por conta da pandemia de Covid-19. No momento que o mundo enfrenta uma de suas piores crises, a doença piora o prognóstico dos pacientes que são infectados e aumenta o risco de hospitalizações, complicações e mortes. Na última edição do Atlas, publicada em 2019, eram 463 milhões de pessoas vivendo com a enfermidade, saltando para 537 milhões nesse ano. Isto significa que 1 a cada 10 adultos desenvolveram a doença.

Nesse momento em especial se faz necessário adotar medidas efetivas para o combate, como o diagnóstico precoce, tratamento adequado, a implementação dos programas de saúde e o aumento das campanhas de conscientização. Só assim teremos uma redução no número de casos, complicações e mortes por diabetes. Essa doença silenciosa e que no presente período se mostra totalmente fora de controle.

*Médico oftalmologista. Tem formação em Oftalmogeriatria, com especialização em Gerontologia e Saúde do Idoso. Atua como diretor clínico na Policlínica Codajás, é coordenador do ambulatório de oftalmologia na FUnATI (Fundação Universidade Aberta da Terceira Idade ) e cursa mestrado em Doenças Tropicais e Infecciosas pela Fundação de Medicina Tropical (UEA/FMT – HVD)

Anúncio