Coronavírus: desonerar é preciso

Nossa economia vai sofrer de qualquer forma, mas para que não sofra com o aumento do desemprego, é preciso que os governos federal e estadual criem pacotes e auxílios econômicos

Manaus – O mundo vive um momento extremamente delicado. Estamos no início de uma pandemia de avançado perigo à saúde de cada cidadão. Além do risco de morte, isolamento social, auto contágio, a nossa economia é alvo real do reflexo ocasionado pelo coronavírus.

A verdade é que temos que estar irmanados, sem o senso do egoísmo, na busca de prevenir e evitar que esse vírus se expanda. Para que isso ocorra, é preciso se isolar. É muito importante essa atitude. Estamos falando de vidas.

Nossa economia vai sofrer de qualquer forma, mas para que não sofra com o aumento do desemprego, é preciso que os governos federal e estadual, os nossos chefes de Poderes, criem pacotes e auxílios econômicos. Esse vírus está jogando a economia mundial para baixo. A perda de arrecadação vai ser intensa.

Temos que ter um pacote de desoneração dos impostos e flexibilização das obrigações trabalhistas afim de permitir que o pequeno comércio, a indústria, consigam segurar o trabalhador o mais tempo possível. Como é que o trabalhador, que precisa ganhar o pão de cada dia, vai se confinar?

Temos que adotar medidas para garantir a sobrevivência dos mais humildes. Faço uma sugestão: os programas sociais precisam ser aportados com mais recursos, como exemplo o Bolsa Família. É preciso ter antecipação do décimo terceiro por parte dos empresários. O governo que não tem dinheiro em caixa precisa desonerar a carga tributária.

Essas medidas emergenciais vão ser importantes para conter os prejuízos com esse vírus pelos próximos três meses. Já temos uma revisão da projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano de 2,4% para 2,1%. A tendência é cair ainda mais. As previsões não são nada boas.

São 138 milhões de brasileiros que trabalham na informalidade. Esses são que mais vão sofrer. O Amazonas precisa estar na vanguarda. Não podemos assistir parados essa pandemia acabar com a vida e a nossa economia.