Amazônia tem desmatamento maior para mês de abril desde 2016

Dados mostram 580,55 km² de área desmatada, aumento de 42,5% em relação a abril do ano passado. Março também foi recorde

Manaus – A Amazônia teve o maior índice de desmatamento para o mês de abril desde o início da série histórica da medição de dados pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), que começou em 2016. O desmatamento registrado até a última aferição, em 29 de abril, aponta 580,55 km² de desmatamento, superando o índice de abril de 2020, quando foram registrados 407,2 km² de área desmatada.

floresta desmatamento amazônia (Foto: Pixabay

Amazônia tem desmatamento maior para mês de abril desde 2016. (Foto: Pixabay

A alta na comparação com o mesmo mês do ano passado é de 42,5%, de acordo com os dados do sistema Deter (Detecção de Desmatamento em Tempo Real), do Inpe.

Foi o segundo mês seguido de recorde de desmatamento na Amazônia. Em março foram registrados 367,61 km² de área desmata, o maior para o mês em cinco anos.

Desmatamento na Amazônia

abril/2021 – 580,55 km²
abril/2020 – 407,2 km²
abril/2019 – 247,39 km²
abril/2018 – 489,52 km²
abril/2017 – 126,85 km²
abril/2016 – 439,92 km²

janeiro a abril/2021 – 1.156,70 km²
janeiro a abril/2020 – 1.204,15 km²
janeiro a abril/2019 – 773,08 km²
janeiro a abril/2018 – 1.175,00 km²
janeiro a abril/2017 – 360,49 km²
janeiro a abril/2016 – 1.083,75 km²

No acumulado do ano, de janeiro a abril, a Amazônia registrou 1.156,70 km² de desmatamento entre 1 e 19 de abril. O maior índice da série histórica ainda é o de 2020, com 1.204,15 km² nesse período.

Compromisso do governo

Em carta enviada ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, no dia 15 de abril, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) admitiu a alta de desmatamento na Amazônia e prometeu eliminar o desmatamento ilegal no Brasil até 2030. Ele repetiu a promessa na Cúpula do Clima.

“Salientar essas medidas e resultados não é, para meu governo, um expediente superficial para escusarmo-nos de fazer mais e melhor. A ação do Estado e da sociedade precisam aperfeiçoar-se. Reconheço, por exemplo, que temos diante de nós um desafio de monta, com o aumento das taxas de desmatamento na Amazoônia, que se vem verificando desde 2012”, afirmou Bolsonaro.

“Queremos reafirmar nesse ato, em inequívoco apoio aos esforços empreendidos por V. Excelência, o nosso compromisso em eliminar o desmatamento ilegal no Brasil até 2030”, acrescentou.

O desmatamento na floresta amazônica brasileira atingiu um pico de 12 anos em 2020, mostraram dados oficiais do governo divulgados pelo Prodes, sistema de cobertura de satélite que dá a estimativa oficial de desmatamento do país.

No período entre agosto de 2019 e julho de 2020, a destruição da maior floresta tropical do mundo aumentou 9,5% em relação ao ano anterior, para 11.088 quilômetros quadrados, de acordo com dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), que ainda são considerados prévios.

Anúncio