Autor de ataque de creche em Santa Catarina é indiciado por cinco homicídios

Inquérito policial foi concluído. Segundo investigação, acusado tinha a intenção de matar o máximo de pessoas possível

Santa Catarina – A Polícia Civil de Santa Catarina concluiu o inquérito do caso do ataque à creche Pró Infância Aquarela, em Saudades, que deixou três crianças e duas professoras mortas no último dia 4, além de ferir um bebê de 1 ano e 8 meses, que sobreviveu. O autor de 18 anos foi indiciado por cinco homicídios triplamente qualificados e uma tentativa de homicídio. Ele está preso preventivamente.

O delegado Jerônimo Marçal Ferreira, responsável pela investigação, afirmou que o acusado pretendia matar o maior número de pessoas possível e tinha pressa. Naquela manhã, foi trabalhar normalmente e chegou à creche às 9h50.

“Ele agiu sozinho e consciente do que fez o tempo todo. Planejou a ação desde o ano passado. Ele tem que ser responsabilizado pelos crimes graves e cruéis que cometeu”, ressaltou o delegado.

Creche foi palco de um massacre com cinco mortes, sendo que uma criança sobreviveu (Foto: Reprodução / ND)

As autoridades policiais evitaram dar detalhes do depoimento do acusado, mas afirmaram que o jovem confessou o crime.

O autor do atentado é descrito como uma pessoa isolada e de difícil relacionamento, acima do normal. Ele não comprava as próprias roupas e nem fazia refeições com a família. Nos últimos meses, teve contato pela internet com materiais violentos e pessoas da mesma índole.

“Alimentou um ódio generalizado e descarregou a raiva em pessoas que não tinham nada a ver com ele. Atacou pela fragilidade das vítimas. A primeira ideia seria a escola, pessoas com quem convivia, mas como não conseguiu uma arma de fogo, achou que não daria conta da ação com uma arma branca”, revelou Jerônimo Ferreira.

A arma usada no ataque foi comprada pela internet e chegou à casa do autor cinco dias antes do crime. No inquérito, mais de 20 pessoas foram ouvidas, mas a análise de dados foi primordial para a conclusão do caso.

De acordo com o delegado regional, Ricardo Casagrande, após o episódio e análise de materiais apreendidos, houve troca de informações entre as polícias de quatro estados do país com o objetivo de impedir ações semelhantes. Houve também colaboração do FBI no caso.

O caso

No último dia 4, o suspeito chegou de bicicleta à creche Pró Infância Aquarela em Saudades. Com uma catana, espécie de faca ninja, matou os bebês Sarah Luiza Mahle Sehn, de 1 ano e 7 meses, Murilo Massing, de 1 ano e 9 meses, e Anna Bela Fernandes de Barros, de 1 ano e 8 meses, a professora Keli Adriane Anieceviski, de 30 anos, e a agente educativa Mirla Renner, de 20 anos.

“Muito sangue. É uma cena de terror, de horror. Fiquei muito abalada”, afirmou a secretária de educação Gisela Hermann ao R7 na ocasião.

Após a chacina, o autor tentou suicídio, foi encaminhado a um hospital em Chapecó e teve alta na quarta-feira (12). O acusado está no Presídio Regional de Chapecó e já teve a prisão preventiva decretada pela Justiça. Ele permanece isolado dos demais presos.

Segundo o delegado regional, Ricardo Casagrande, o interrogatório durou cerca de uma hora: “Ele tinha o direito de permanecer em silêncio, mas decidiu responder todas as perguntas”.

Anúncio