Bebê morre após engolir lagarta; mãe diz que médica ‘sentiu nojo’ do caso

Um bebê de sete meses morreu após passar mal por ter engolido uma lagarta; polícia investiga o caso

Espiríto Santo –  O bebê Enrico Gotardo Ferreira de sete meses morreu após passar mal por ter engolido uma lagarta. A mãe Natalia Gotardo, 32, contou que o filho vomitou pela primeira vez em 11 de agosto e foi quando ela encontrou a lagarta.

bebê de sete meses morreu após passar mal por ter engolido uma lagarta (Foto: Reprodução / Redes Sociais)

A mulher explicou que quando viu um “bichinho preto achou que fosse um pedaço de carne”. Após perceber que se tratava do bicho, a mãe e o pai de Enrico levaram o filho até o Hospital Materno Infatil Francisco de Assis (Hifa). De acordo com Natalia, ao passar pela triagem ainda no dia 11 de agosto, a primeira médica que estava de plantão não quis atender o caso por sentir nojo.

“Ai que nojo, não quero esse caso, não”, teria dito a médica segundo mãe de Enrico. O atendimento da criança foi passado para um segundo médico, que examinou o bebê. O Centro de Informação e Assistência Toxicológica do Espiríto Santo (CIATox) foi acionado e Enrico foi medicado com soro, remédio para controlar os vômitos e ficou em observação.

Após ser liberado do hospital no dia 12 de agosto, o bebê continuou vomitando e teve febre alta. A mãe voltou com a criança ao hospital e informou que em um dos exames de sangue foi identificada uma alteração nas plaquetas, o que seria um sinal de infecção.

Enrico apresentou uma melhora ente os dias 15 até 18 de agosto, quando voltou a vomitar. Os pais decidiram levar o bebê ao pediatra alergista porque desconfiavam que a criança tinha alergia ao leite. A pediatra informou que a criança estava em estado catabólico (quando o corpo começa a retirar a energia da musculatura como alternativa de sobrevivência para seu funcionamento normal).

No dia 19 de agosto o bebê não resistiu e morreu.  Po rmeio de nota, a equipe do Hifa disse que Enrico passou por três atendimento no hospital e explicou que foram realizados todos os exames necessários. De acordo com a Secretaria de Saúde do Espírito Santo (Sesa), em relaçao ao CIATox, após a análise do caso foi constado que a lagarta ingerida não se tratava de espécie do gênero peçonhento.

O corpo de Enrico passou por exame de necropsia e depois foi liberado para os familiares. O caso vai ser investigado pela Divisão Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Guarapari, que aguarda os resultados dos exames.

Anúncio