Bebê morre com 1 mês e família acusa hospitais de negligência

Dominic Rafael recebeu 6 atendimentos, em 4 unidades municipais de saúde da zona oeste do Rio

Rio de Janeiro, RJ – A família de um bebê morto com 31 dias acusa quatro unidades municipais de saúde da zona oeste do Rio de negligência. De acordo com os pais do recém-nascido, a internação foi negada em todos os locais, nos seis atendimentos. Dominic Rafael Gonçalves faleceu na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da Cidade de Deus.

Nascido no dia 6 de abril, na maternidade Leila Diniz, na Barra da Tijuca, Dominic teve alta dois dias depois, saudável. Ao completar 27 dias, os pais notaram que o recém-nascido estava com falta de ar. Foi então que a família retornou à unidade, onde foi diagnosticado com cólicas abdominais.

Foto: Dominic morreu de pneumonia
REPRODUÇÃO/RECORD TV RIO

No CER da Barra da Tijuca (Centro de Emergência Regional), um médico prescreveu um remédio para as cólicas com erro ortográfico, além de preencher a idade de Dominic errado.

Segundo a família, pelo menos cinco médicos atenderam o bebê, mas nenhum o diagnosticou corretamente.

“Estou sem chão, sem estrutura. Meu filho morreu por conta de médicos, médicos que dizem ser capazes, mas não são. Mataram meu filho”, disse a mãe de Dominic, Gabriela Serra.

O laudo da morte de Dominic Rafael aponta que ele morreu em decorrência de uma pneumonia. Ele também recebeu atendimento na Clínica da Família José Neves.

Em nota, a Rio Saúde, gestora da CER Barra e UPA da Cidade de Deus, disse que instaurou uma sindicância para apurar as denúncias sobre os atendimentos feitos pelas unidades. Como informado pela Secretaria Municipal de Saúde, as outras duas unidades estão à disposição da família. O caso foi registrado na 16ª DP (Barra da Tijuca).

*Com informações do R7

Anúncio