Brasileira é presa com drogas na Tailândia e família teme pena de morte

Mary Hellen Coelho Silva e outros dois brasileiros foram presos com cocaína em Bangkok e podem ser condenados a pena de morte

Tailândia – Três brasileiros presos na Tailândia após serem flagrados com 15,5 quilos de cocaína no aeroporto de Bangkok na última segunda-feira (14) podem ser condenados a pena de morte. A família de Mary Hellen Coelho Silva, 21, uma das pessoas presas, teme pela vida da jovem já que no país asiático, o crime de tráfico de drogas pode receber a punição máxima.

Mary Hellen e um homem de 27 anos foram presos depois que a equipe do aeroporto suspeitou de itens mostrados no raio X. Revistadas as malas dos passageiros, foram encontrados 9 quilos de cocaína. Mais tarde, Jordi Vilsinski Beffa, 24, que portava 6,5 quilos de cocaína também foi detido.

Os três saíram de Curitiba (PR), mas as autoridades não souberam informar se eles se conheciam. As drogas estão avaliadas em R$ 276 milhões.

A notícia pegou os familiares de Mary Helen de surpresa, pois segundo a irmã, ela trabalhava de carteira assinada em uma churrascaria. A mãe dela, que luta contra um câncer, precisou ser internada quando soube que a filha havia sido presa. A família da jovem está mobilizando as redes sociais para que Mary seja trazida para o Brasil. O objetivo dos familiares é que ela não pegue a prisão perpétua ou pena de morte.

Em nota, o Ministério das Relações Exteriores informou que acompanha o caso por meio da Embaixada do Brasil em Bangcoc e presta “toda a assistência cabível aos nacionais”. No entanto, disse que não está autorizado a fornecer dados específicos sobre os brasileiros detidos.

“Informações detalhadas poderão ser repassadas somente mediante autorização dos envolvidos. Assim, o MRE não poderá fornecer dados específicos sobre casos individuais de assistência a cidadãos brasileiros”, comentou o governo.

Em 2015, Marco Archer Cardoso Moreira foi executado na Indonésia depois de passar mais de uma década no corredor da morte por tráfico de drogas. O brasileiro, que trabalhava como instrutor de voo livre, foi preso em agosto de 2003 após tentar entrar no país pelo aeroporto de Jacarta com 13,4 kg de cocaína escondidos em uma asa-delta desmontada. Archer foi o primeiro brasileiro a cumprir pena de morte fora do país.

Anúncio