Caso Leandro Lo: polícia faz reconstituição da morte de lutador mundial de jiu-jítsu

Campeão mundial de jiu-jítsu foi assassinado com tiro na cabeça durante briga com um policial militar

São Paulo – A reconstituição da morte do campeão mundial de jiu-jítsu Leandro Lo — baleado na cabeça no dia 7 de agosto, durante uma briga em um show no clube Sírio, na zona sul de São Paulo — será realizada às 13h desta quarta-feira (31).

(Foto: Reprodução / Instagram)

Esse tipo de técnica é um procedimento investigatório que se baseia nos relatos das testemunhas que estavam no local e presenciaram o crime. Além disso, tem como objetivo ouvir o próprio acusado, no caso o policial militar Henrique Otávio Oliveira Velozo, que confessou ter efetuado o disparo que tirou a vida do lutador.

A reconstituição, executada pelo instituto de perícia da polícia científica, visa reproduzir os últimos momentos que envolveram o fato até a hora da morte do atleta, com base naquilo que é narrado pelas testemunhas.

Há cerca de dez dias, a Polícia Civil aceitou o pedido da reconstituição do crime feito pela defesa do policial militar acusado de matar Leandro. A petição foi assinada pelo advogado Cláudio Dalledone. O PM Henrique Velozo está detido no Presídio Romão Gomes.

O pedido, segundo o advogado, foi para “elucidar as dúvidas consistentes que ainda emanam dos autos, especialmente acerca da dinâmica dos atores do evento, postura dos personagens, trajeto e trajetória do disparo efetivado”.

Segundo Dalledone, o tenente teria agido por defesa após ser cercado por seis lutadores durante a discussão. Ele ainda chegou a pedir ao 16° DP (Vila Clementino), responsável pelas investigações, exames complementares no corpo de Leandro Lo, como de alcoolemia e toxicológico.

Briga e morte

De acordo com o boletim de ocorrência, após uma breve discussão, Henrique foi até a mesa de Leandro com alguns amigos e passou a fazer gestos com uma garrafa da mesa. O lutador então tirou a garrafa da mão do policial com um golpe e o derrubou, imobilizando-o. Amigos de Leandro Lo separaram a briga.

Em seguida, o agente de folga deu a volta na mesa, sacou uma arma e atirou na cabeça da vítima. Após o disparo, o policial chutou o lutador duas vezes e fugiu.

Ainda na data do crime, Henrique Velozo se apresentou à corregedoria da Polícia Militar, teve a prisão decretada e foi encaminhado ao Presídio Romão Gomes.

Anúncio