Compra de vacinas começou em agosto, afirma Bolsonaro

Presidente disse que primeiro contrato foi assinado no dia 6 daquele mês e que dará detalhes em sua live nas redes sociais

Brasília – O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (10) que a compra de vacinas pelo governo federal começou no dia 6 de agosto do ano passado. Ele disse a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada que apresentará mais dados em sua live nas redes sociais na quinta-feira (11) e confrontará informações com reportagem publicada pela imprensa.

Bolsonaro ainda afirmou que está havendo abuso na política do fecha tudo. (Foto: Divulgação)

Na semana passada, o jornal “Folha de S. Paulo” informou que o governo rejeitou proposta da  farmacêutica Pfizer que previa 70 milhões de doses de vacinas até dezembro deste ano, sendo 3 milhões até fevereiro, o equivalente a cerca de 20% das doses já distribuídas no país. De momento, o governo federal distribui doses da Coronavac, de parceria de laboratório chinês com o Instituto Butantan, e da vacina da Astrazeneca, desenvolvida pela Universidade de Oxford.

Segundo a reportagem, a Pfizer fez a primeira oferta em 14 de agosto de 2020 e repetiu tentativas ao longo do ano, sendo que o governo brasileiro decidiu apenas nos últimos dias firmar acordo com o laboratório. O Ministério da Saúde negocia agora com a empresa entregas a partir de maio.

“A primeira vacina nossa foi comprada 6 de agosto. Pessoal fala que sou negacionista. Eu vou mostrar amanhã, na live nossa, contrato e o que o jornal divulgou”, afirmou.

Bolsonaro ainda afirmou que está havendo abuso na política do fecha tudo, em referência às novas restrições impostas por governadores. “Porque economia não dá para ver depois não. Tem gente que quando perde o emprego ou o negócio dele, ele nunca mais vai recuperar”, afirmou.

Anúncio