Delegado diz que Belo responderá por quatro crimes após show irregular

Cantor será autuado por infração de medida sanitária, crime de epidemia, invasão de prédio público e associação criminosa

Rio de Janeiro – O delegado Gustavo de Mello de Castro, da Dcod (Delegacia de Repressão às Drogas), afirmou que o cantor Belo vai responder por infração de medida sanitária, crime de epidemia, invasão de prédio público e associação criminosa devido ao show realizado no último sábado (13) no pátio do Ciep 326 Professor César Pernetta, no complexo da Maré, zona norte do Rio. O cantor foi preso na tarde desta quarta-feira (17) em Angra dos Reis, na Costa Verde.

Belo foi preso na tarde desta quarta-feira (17). (foto: Anderson Borde/AGNEWS)

Segundo o delegado, cabe a autuação por organização criminosa por Belo ter aceitado realizar um show em uma comunidade, além da invasão de uma escola com aglomeração de pessoas em meio à pandemia.

Leia mais: Cantor Belo é preso por fazer show com aglomeração de pessoas no RJ; veja vídeo

O delegado informou ainda que, na casa do cantor, foram apreendidos duas armas com registro vencido, cerca de R$ 40 mil em espécie, 3.500 euros e 1.000 dólares.

Após ser ouvido, Belo seguirá para a Polinter (Serviço de Polícia Interestadual) e ingressará no sistema prisional.

Além do cantor, dois sócios da produtora responsável pelo evento foram detidos na capital fluminense e em Macaé, no Norte do Estado. O quarto mandado de prisão pendente seria do chefe do tráfico de drogas da comunidade Parque União, de acordo com a Record TV Rio.

A Justiça decretou o bloqueio das contas dos presos e suspendeu as atividades da empresa que promoveu o evento.

Segundo a Polícia Civil, a Seeduc (Secretaria de Estado de Educação) não autorizou a realização do show, que teve “grande aglomeração de pessoas e risco de propagação e contaminação da covid-19”. Na ocasião, a Seop (Secretaria Municipal de Ordem Pública) afirmou que o estabelecimento onde o evento foi anunciado terá seus responsáveis identificados e responsabilizados pelo descumprimento das medidas de proteção à vida e pela falta de alvará de funcionamento do local.

Anúncio