Detento que morreu na Papuda não era preso de 8 de Janeiro, esclarece STF

Reportagem citada nas redes sociais para falar sobre a morte mostrava que homem cumpria pena desde 2017, informou tribunal

Brasília- O Supremo Tribunal Federal decidiu esclarecer que o detento que morreu na semana passada vítima de meningite na penitenciária da Papuda, em Brasília, não era um dos presos pelos atos do dia 8 de janeiro de 2023. A Corte tomou conhecimento após publicações em redes sociais. Segundo o tribunal, uma mulher postou sobre a morte dando a entender  que a culpa seria o tribunal.

(Foto: Paulo H.Carvalho/ Agência Brasil)

A reportagem citada para falar sobre a morte afirmava que o homem cumpria pena desde 2017, antes dos atos de 2023. E o texto não apresenta nenhuma relação com os ataques realizados contra as sedes dos Três Poderes.

O STF “alerta para a importância de não repassar informações publicadas em locais não confiáveis e com dados alarmistas ou teorias conspiratórias”.

Até o momento, a Corte realizou 30 condenações, com penas variando de 3 anos de detenção (em regime aberto) a 17 anos de prisão (regime inicial fechado). No total, foram recebidas 1.354 denúncias apresentadas pela PGR. Apenas 66 pessoas – entre as mais de duas mil que foram detidas – seguem presas, entre elas, oito condenados, 33 réus denunciados como executores dos crimes e 25, a pedido da PGR, acusados de financiar ou incitar os atos.

Anúncio