Doze anos do caso Eliza Samudio: crime marcou o país

Apesar do corpo não ter sido encontrado, data da morte consta na certidão de óbito

São Paulo – Um goleiro no auge da carreira, uma gravidez indesejada, um corpo desaparecido e bastidores com doses de mistério. Essa é a trama de um dos maiores crimes ocorridos em Minas Gerais, que chocou todo o país. Há 12 anos, Eliza Samudio foi assassinada na região metropolitana de Belo Horizonte. Apesar de nunca ter sido encontrada, essa é a data que consta na certidão de óbito da ex-modelo.

(Foto: Reprodução)

O enredo criminoso envolvendo o goleiro Bruno Fernandes e sua ex-amante começou no dia 4 de junho. Foi nesse dia, segundo o Ministério Público de Minas Gerais, que Luiz Henrique Romão, o “Macarrão”, e o primo do jogador, Jorge Luiz Rosa, na época menor de idade, buscaram Eliza e o filho dela em um flat no Rio de Janeiro. Logo depois, levaram os dois para a casa do então goleiro do Flamengo e, no dia seguinte, todos viajaram para Minas Gerais. No dia 6 de junho, eles foram levados para o sítio de Bruno em Esmeraldas, na Grande BH.

De acordo com o inquérito do caso, Eliza e o bebê foram retirados do local quatro dias depois pelos primos do goleiro, sob a promessa que seriam levados para um apartamento próprio. Horas depois, os dois retornaram ao sítio sozinhos.

A partir desse ponto, o enredo ganha desdobramentos cruéis. Em depoimento, Rosa revelou que Eliza foi estrangulada e esquartejada na casa do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, em Vespasiano, também na região metropolitana da capital mineira. Parte do corpo, segundo ele, foi jogada aos cães.

No dia 24 de junho, a polícia recebeu informações de que Bruno teria matado a ex-amante e enterrado o corpo em Esmeraldas. Policiais estiveram no local e viram Dayanne Rodrigues, até então esposa do goleiro, com um bebê no colo. Ela foi levada à delegacia e, no dia 25 daquele mês, foi presa por sequestro de Bruninho.

No dia 9 de julho, Bruno e Macarrão foram presos no Rio de Janeiro e levados Belo Horizonte. Durante as investigações, marcas de sangue de Eliza foram encontradas no carro do atleta, mas, até hoje, o corpo não foi localizado.

Cronologia do crime de Eliza Samudio segundo as investigações:

  • 4 de junho de 2010: Macarrão e o primo de Bruno buscam Eliza e o bebê no Rio de Janeiro;
  • 5 de junho de 2010: Viagem do Rio de Janeiro para Minas Gerais;
  • 6 de junho de 2010: Eliza e o bebê chegam no sítio de Bruno em Esmeraldas;
  • 10 de junho de 2010: A ex-modelo e a criança são levadas do local pelos primos do goleiro;
  • 10 de junho de 2010: Data da morte de Eliza, segundo a certidão de óbito. Bola é o acusado da execução;
  • 24 de junho de 2010: Polícia encontra Bruninho com esposa de Bruno na época;
  • 25 de junho de 2010: Dayanne Rodrigues é presa pelo sequestro do bebê;
  • 10 de julho de 2010: Bruno e Macarrão são presos por envolvimento no assassinato.

Bruno Fernandes

Em março de 2013, Bruno Fernandes foi condenado a 22 anos e 3 meses de prisão pelo sequestro, assassinato e ocultação do cadáver de Eliza Samudio. Em 2017, a Justiça reduziu a pena dele para 20 anos e 9 meses de detento, após o crime de ocultação de cadáver prescrever. Em 2019, o esportista recebeu autorização judicial para ir ao regime semiaberto e deixou a prisão.

Atualmente, Bruno cumpre o restante da pena em casa. O goleiro mora em Cabo Frio, na região dos Lagos, no Rio de Janeiro, e se tornou empresário. Recentemente, ele inaugurou uma loja de açaí na cidade. Nos últimos meses ele também jogou por times de várzea da região.

No final de maio deste ano,a Justiça do Mato Grosso do Sul decretou a prisão de Bruno por dívida de pensão do filho com Eliza. Ele ainda terá que pagar R$60 mil a Bruninho, referentes a dois salários mínimos por mês, desde janeiro de 2020. O atleta, no entanto, segue em liberdade.

Anúncio