Élcio Queiroz aponta bicheiro nas mortes de Marielle Franco e Anderson Gomes

Apontado pelo delator, Bernardo Bello está foragido; Disque-Denúncia divulgou a foto dele como procurado

Rio de Janeiro – O ex-policial militar do Rio de Janeiro Élcio Queiroz apontou em delação premiada a participação do grupo liderado pelo contraventor Bernardo Bello no assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. Bello, 41, está foragido e é suspeito de ser um dos chefes do jogo do bicho no Rio. Ele foi alvo da Operação Ás de Ouros II, da Polícia Civil em conjunto com o Ministério Público do Rio de Janeiro, nesta semana, mas não foi encontrado.

blank

(Foto: Divulgação)

Élcio Queiroz também deu o nome do policial militar Edimilson Oliveira da Silva como quem teria contratado o ex-policial militar Ronnie Lessa, apontado pelas investigações como o executor de Marielle e Anderson. Queiroz disse ainda que a arma usada para matar Marielle foi desviada do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), da Polícia Militar do Rio de Janeiro.

Queiroz declarou em um dos depoimentos que “apareceu também celular” para Ronnie Lessa e ele achou “estranho aquele celular aparecer pra ele [Lessa]”. Segundo o delator, Lessa “costumava andar com celular de última geração” e o aparelho novo era um smartphone “feio”. “Eu perguntei e ele falou que era de uma pessoa que tinha fornecido pra ele”, relatou Queiroz.

Em depoimento mais recente, Queiroz disse que foi Bernardo Bello quem deu o telefone a Ronnie Lessa. O chefe da segurança do bicheiro, José Carlos Roque Barboza, teria fornecido o carro Cobalt, usado no dia do assassinato.

Élcio Queiroz é o primeiro envolvido nos assassinatos a assumir a coparticipação no crime.  Queiroz e Ronnie Lessa foram presos em março de 2019. Após quatro anos detido, Queiroz confessou em delação premiada que dirigia o veículo usado nos assassinatos, participou de todo o planejamento e deu detalhes do atentado.

Disque-Denúncia divulga foto de Bernardo Bello como procurado

blank

(Foto: Reprodução)

O Disque-Denúncia divulgou no sábado (29) a foto de Bernardo Bello como procurado. Além de ser procurado por homicídio, ele responde por organização criminosa e lavagem de dinheiro.

O caso de Marielle ilustra com fatos a ligação entre o jogo e a criminalidade. Ronnie Lessa, acusado de ser o principal matador da vereadora, foi segurança da família Andrade, um dos principais clãs da contravenção. Ele era dono de 80 máquinas caça-níqueis na Barra da Tijuca.

Quem tiver informações que possam ajudar a localizar Bernardo Bello deve entrar em contato com o Disque Denúncia pelos seguintes canais:

• Central de atendimento: (021) – 2253 1177 ou 0300-253-1177
• WhatsApp Anonimizado: (021) – 2253-1177 (técnica de processamento de dados que remove ou modifica informações que possam identificar uma pessoa)
• Aplicativo: Disque Denúncia RJ
O anonimato é garantido.

Anúncio