Governo de SP diz que ‘não houve excesso’ em ação da PM no Guarujá

Oito pessoas morreram e 10 foram presas durante operação; ouvidoria da polícia diz que foram 10 mortes

São Paulo – O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), revelou, em entrevista coletiva nesta segunda-feira (31), que ‘não houve excessos’ na operação para prender os responsáveis pela morte de Patrick Bastos Reis, soldado das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), no Guarujá, litoral de São Paulo.

Governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil)

Ao todo, dez pessoas foram presas durante a operação. Neste domingo (30), o suposto atirador foi preso e levado até a delegacia por policiais da Rota, informou o governador. A arma usada no disparo contra o soldado da Rota ainda não foi encontrada. A confirmação da autoria do crime pelo suspeito que foi preso, segundo o secretário de Segurança Pública, Guilherme Derrite, foi feita por provas testemunhais dos outros indivíduos presos.

“A gente tem uma polícia extremamente profissional que sabe usar exatamente a força na medida que ela tem que ser usada. Não houve hostilidade, não houve excesso, houve uma atuação profissional que resultou em prisões e nós vamos continuar com as operações”, disse o governador em coletiva de imprensa nesta manhã (31).

Freitas avaliou que a polícia “deu uma grande demonstração de profissionalismo” nas operações realizadas no final de semana na Baixada Santista e na região da Cracolândia, na capital, em que 15 pessoas foram detidas.

“Nós não vamos deixar passar impune agressão a policial. Não é possível que o bandido, que o crime possa agredir um policial e sair impunemente, então nós vamos investigar, nós vamos prender, nós vamos apresentar à Justiça, nós vamos levar ao banco dos réus. Foi isso exatamente que foi feito nesse fim de semana. Estou extremamente satisfeito com a ação da polícia”, disse o governador.

Em relação ao alto número de mortos na operação, ele alegou que a polícia reagiu. “Aqueles que resolveram se entregar à polícia foram presos, foram apresentados à Justiça. O autor do disparo foi preso, foi entregue à Justiça, como tem que ser. A gente não quer de maneira nenhuma o confronto, agora também não vai tolerar a agressão, porque a polícia reage e ela vai reagir para repelir a ameaça”, disse.

Apesar das prisões, o governo informou que a Operação Escudo vai durar por, no mínimo, 30 dias com o objetivo de combater o crime organizado na Baixada Santista. Há previsão de instalação de uma unidade da Polícia Militar em fevereiro de 2024 com aumento real de efetivo, e não remanejamento de tropas no estado.

A Ouvidoria de Polícias de São Paulo informou que foram 10 mortes na operação realizada em Guarujá, registradas em boletim de ocorrência.

Denúncia de tortura

Questionado sobre denúncias de tortura durante a operação – um dos mortos teria marcas de queimadura de cigarro – sobre avisos em redes sociais de que policiais matariam um total de 60 pessoas na região, o secretário Guilherme Derrite, que também participou da coletiva nesta manhã, afirmou que são “narrativas” e que tais informações não chegaram oficialmente para o governo.

Dos oito mortos, apenas quatro já foram identificados. Segundo o secretário, esses quatro tem antecedentes criminais, mas não informou quais eram os crimes. Derrite descreveu a Baixada Santista como “uma zona deflagrada de confronto” e corroborou com argumento apresentado pelo governador sobre as mortes na operação.

“Quem se entregou foi preso. Agora aquele que ainda decide optar pelo confronto, como o governador mencionou, os nossos policiais são obrigados a fazer uso da última alternativa tática que é o disparo de arma de fogo pra neutralizar esse indivíduo e proteger a sociedade”, disse.

Derrite finalizou a coletiva dizendo que “o combate ao crime organizado vai gerar alguns efeitos colaterais, como a gente mencionou aqui essa questão de reclamações olha, indivíduo está dizendo que aconteceu isso, que foi torturado. O que a gente promete para a população é não abaixar a guarda, defender a sociedade e combater o crime”.

Freitas ainda ressaltou que a Polícia Militar quer evitar o confronto. Porém, “a partir do momento em que a autoridade policial é desrespeitada”, uma reação da polícia é inevitável.

De acordo com a ouvidoria da polícia do estado de São Paulo, a Operação Escudo, iniciada pela polícia na sexta-feira (28), deixou cerca de dez pessoas mortas e, segundo o ouvidor Elcio Fonseca, entrevistado pelo R7, o órgão ainda recebeu denúncias de tortura.

Por outro lado, Tarcísio confirmou oito mortos na ação e dez prisões. “A polícia vai reagir para repelir a ameaça. Todos serão investigados. Temos policiais extremamente profissionais, o que resultou nessas prisões”, disse.

Principal suspeito do crime preso

Erickson David da Silva, conhecido como “sniper do tráfico” e apontado como o principal suspeito do crime, entregou-se à polícia na noite deste domingo (30).

Após ter sido capturado, o suspeito foi encaminhado para a Corregedoria da Polícia Militar, no centro da capital paulista e, posteriormente, levado para a delegacia do Guarujá, que investiga o caso.

Policial da Rota morto

O soldado Patrick Bastos Reis e o cabo Fabiano Oliveira Marin Alfaya, ambos da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar), foram baleados na quinta-feira (27) no Guarujá, litoral sul de São Paulo.

As equipes realizavam patrulhamento na comunidade de Vila Zilda por volta das 23h20 quando foram vítimas de disparos de arma de fogo.

Os agentes foram socorridos e encaminhados ao pronto-socorro da Unidade de Pronto Atendimento Rodoviária.

O cabo Marin foi atingido na mão esquerda e permanece em observação. Já o soldado Reis foi baleado na axila, mas não resistiu ao ferimento.

Anúncio