Hackers invadem e interrompem reunião virtual da Associação Brasileira de Imprensa; veja vídeo

Interferência conta com mensagens políticas que apoiam o presidente Jair Bolsonaro, músicas de funk e fotos aleatórias de desconhecidos

Manaus – Uma reunião da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) foi invadida virtualmente por hackers. Um vídeo com a ação dos criminosos foi divulgado neste domingo (6).

Nas imagens é possível notar o início da interferência com mensagens políticas que apoiam o presidente Jair Bolsonaro, com a veiculação de um jingle de campanha eleitoral. Na sequência, músicas de funk e fotos aleatórias de desconhecidos são exibidos. Veja o vídeo.

Ao perceber a invasão, os membros da reunião primeiramente tentam entender a situação, mas depois comemoram o fato por estarem incomodando possíveis adversários contra a discussão do grupo em torno da reconstrução do Ministério da Cultura e pelo direito a democracia. Os convidados da reunião atribuíram a invasão a fascistas e também gritaram “Fora Bolsonaro”. Mesmo assim, a invasão continuou até o encerramento do vídeo.

O cineasta Silvio Tendler se pronunciou sobre o ocorrido durante uma live da ABI que ele presidia, com os Estados Gerais da Cultura, e afirmou que apesar do grupo existir há pouco tempo, já está incomodando. “Brigamos e resistimos pela cultura brasileira, pela reconstrução do Ministério da Cultura e pelo direito a democracia, liberdade e bem estar social no País”, declarou.

Nota

Sinpro-Rio repudia invasão fascista ao 5° Encontro dos Estados Gerais da Cultura

Quando o muro separa uma ponte une / Se a vingança encara o remorso pune / Você vem me agarra, alguém vem me solta / Você vai na marra, ela um dia volta (…) Que medo você tem de nós… (“Pesadelo”, Maurício Tapajós e Paulo César Pinheiro)

O Sinpro-Rio repudia e lamenta a invasão fascista ao 5° Encontro dos Estados Gerais da Cultura, organizado pelo cineasta Silvio Tendler, com apoio da ABI – Associação Brasileira de Imprensa. O evento online, mesmo sendo interrompido por grosserias fascistas, foi apresentado com o tema “O lugar dos povos indígenas nas políticas culturais do Brasil”.

Em razão da violência fascista, ficou para uma fase posterior o debate virtual com o professor José Ribamar Bessa Freire, da Pós-Graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNI-Rio), na qual orienta pesquisas de doutorado e mestrado, e da Faculdade de Educação da UERJ, onde atua como coordenador do Programa de Estudos dos Povos Indígenas.

À absurda invasão, a organização do evento respondeu com arte, mediante música e poesia, com o canto e voz de Sabah Moraes, e o lirismo do manifesto ‘Meu lugar de fala é o mundo’, assinado por Silvio Tendler, e lido pelo ator Eduardo Tornaghi.

É assim: eles invadem hospitais, manifestações políticas e culturais, e até velórios, agem de forma violenta em atos virtuais e presenciais, e nós sempre respondemos com cantos de paz.

O Sinpro-Rio parabeniza a reação pacífica dos organizadores e participantes do evento, colocando sua trajetória tradicional de luta e resistência à disposição do Encontro dos Estados Gerais da Cultura.

Acessem para assistir ao evento aqui: https://www.youtube.com/watch?v=XQB10d_u8Q0

Anúncio