‘Hipster da Federal’ morre ao tentar invadir fazenda em Goiás

Lucas teria invadido a fazenda Santa Rita aos gritos de que na casa havia um demônio e desligado a energia do local

Brasília – O agente da Polícia Federal Lucas Valença, 36 anos, conhecido como “hipster da Federal”, morreu nesta quarta-feira (2), por volta das 23h30, após levar um tiro de espingarda dentro de uma fazenda em Buritinópolis, em Goiás.

(Foto: Reprodução Instagram)

O policial federal ficou conhecido como “hipster da Federal” quando atuou na Lava-Jato, na escolta do ex-deputado Eduardo Cunha ao ser preso, além de ser um dos 270 agentes que participavam da caçada a Lázaro Barbosa Sousa, o ‘Serial killer’ do DF.

De acordo com boletim de ocorrência ao qual o R7 teve acesso, Lucas teria invadido a fazenda Santa Rita aos gritos de que na propriedade havia um demônio, desligado a energia do local e arrombado a porta.

No boletim registrado como homicídio, o dono da fazenda, um homem de 25 anos, informa que estava em casa com a mulher e a filha de 3 anos quando ouviu barulhos do lado de fora e “uma gritaria com diversos xingamentos, falando que naquela casa havia um demônio”. Ele também diz que em seguida viu Lucas e que o policial desligou o padrão de energia e arrombou a porta da casa. O proprietário rural teria mandado o policial ir embora.

Ele também disse que “o homem estava entrando na sua casa e, por medo e para proteger sua família, efetuou um disparo de espingarda na direção do invasor, não sabendo se havia atingido aquela pessoa”. Ao religar a energia, o dono da propriedade percebeu que havia atingido Lucas Valença no peito. O agente da PF morreu no local. O dono da residência acionou a Polícia Militar de Goiás.

Anúncio