Homem que matou irmã por causa de latido de cachorro é condenado

Os jurados reconheceram o crime como homicídio qualificado por motivo fútil

Belo Horizonte – O homem acusado de matar a própria irmã por causa do latido do cão de estimação da vítima foi condenado a 10 anos e oito meses de prisão em regime fechado. O julgamento ocorreu nesta segunda-feira (30) no Fórum Lafayette, em Belo Horizonte.

Durante a manhã, três testemunhas foram ouvidas. Os jurados reconheceram o crime como homicídio qualificado por motivo fútil, mas decidiram não condenar o homem por feminicídio e pelo uso de recurso que dificultou a defesa da vítima.

Foto: DIVULGAÇÃO / FÓRUM LAFAYETTE

Após a condenação, Carlos Andrade Carsalade, de 49 anos, poderá recorrer, mas deve permanecer preso enquanto aguarda o julgamento do recurso.

Relembre o caso

O crime aconteceu no dia 10 de outubro de 2019. A perita judicial e irmã do suspeito, Julieta Werneck de Andrade Carsalade, de 47 anos, e a mãe estavam dormindo em casa, no bairro Santo Antônio, na região Centro-Sul de BH, quando o suspeito teria chegado de madrugada e se assustado com o barulho do cachorro da família.

Carlos teria ficado nervoso e iniciou uma discussão com a irmã. Em seguida, ele teria golpeado Julieta com uma faca. A vítima morreu na hora.

A mãe contou para a polícia que Carlos tinha o hábito de chegar em casa tarde e o cachorro sempre estranhava ele. Os irmãos sempre discutiam por isso.

Na época do crime, a polícia contou que o animal só saiu de perto do corpo da dona quando os bombeiros chegaram para fazer o primeiro atendimento.

— O cachorro estava junto a ela e não saia de forma alguma, só saiu quando os bombeiros chegaram para fazer o primeiro atendimento para tentar reanimá-la, mas com a chegada da equipe do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi constatado o óbito.

Após o assassinato, o suspeito fugiu em um carro, mas se entregou à polícia, cerca de oito horas depois.

 

Anúncio