Loja presenteia menino de 13 anos que sugeriu pagar parcelas com a venda de doces

A proposta de pagar parcelas de R$ 50 por dia, até quitar o aparelho e poder retirá-lo, comoveu os funcionários

Macapá – O jovem Carlos Eduardo Almeida, de 13 anos, chegou com uma proposta inusitada, nesta terça-feira (29), para os vendedores de uma loja de eletrônicos, no Macapá. Ele queria comprar um celular, mas só podia pagar parcelas de R$ 50 por dia, até quitar o aparelho e poder retirá-lo.  O dinheiro, Carlos disse que ia conseguir vendendo doces na rua.

Carlos Eduardo Almeida, de 13 anos, recebendo o presente. (Foto: Reprodução/Rede Social)

De acordo com o site Razões Para Acreditar, a proposta comoveu os funcionários e o Leonir Lima, gerente de compras da loja. Ele conta que uma das vendedoras foi contar a história de Carlos e ele fez questão de conversar pessoalmente com o garoto.

Leia mais: Governo amplia prazo de saques do Bolsa Família

“Ele chegou em uma de nossas lojas e chamou a vendedora e perguntou se poderia comprar um celular, deixando R$ 50 todo dia, até pagar tudo. Quando ele terminasse de pagar poderia retirar o aparelho. A vendedora me chamou e eu perguntei para ele qual seria a finalidade e ele prontamente me disse que era para estudo“, recorda.

Leonir então resolveu dar o aparelho de presente para Carlos, mas com a condição de que ele não largasse os estudos.

Aparelho será usado para estudo

A necessidade de comprar um celular veio quando Carlos começou a ter aulas online, devido a pandemia. Ele também gosta muito de um jogo eletrônico de batalhas e queria um aparelho para acompanhar os amigos no game.

Carlos é de uma família muito humilde. Ele mora com os avós e mais 4 familiares numa casa simples no bairro Brasil Novo, na Zona Norte da capital. Para ajudar no sustento da casa, o garoto vende os chocolates e balas desde 2019.

Como não tem o valor integral do aparelho, Carlos então teve a ideia de ir até a loja e fazer a proposta de pagar R$ 50 diariamente, até que quitasse o produto e pudesse retirá-lo. Carlos sonha em estudar para se tornar militar do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar (PM).

Anúncio