Mais da metade da exploração ilegal de madeira em Roraima ocorre em assentamentos rurais

Segundo pesquisa, projetos de assentamento Anauá e Ladeirão somaram quase 300 hectares de floresta explorada ilegalmente

Roraima – Uma pesquisa revela que mais da metade da extração madeireira não autorizada em Roraima está localizada em áreas de assentamento rural. Os dados foram divulgados, nessa terça-feira (27), pela Rede Simex, integrada por quatro instituições ambientais: Imazon, Idesam, Imaflora e ICV.

(Foto: Divulgação Simex)

O levantamento, que analisou o período de agosto de 2020 e julho de 2021, mostrou que 1.258 hectares de floresta tiveram exploração de madeira no estado. Desse total, 761 hectares (60%) foram explorados de forma autorizada pelos órgãos ambientais, enquanto a extração ilegal afetou 497 hectares (40%). Além disso, mais da metade dessa atividade não autorizada ocorreu dentro de assentamentos: 290 hectares (58%).

O mapeamento da exploração madeireira em Roraima foi baseado em imagens de satélite, que foram cruzadas com dados públicos das autorizações para a atividade emitidas pelos órgãos ambientais.

De acordo com pesquisadores do Idesam, responsáveis pelo estudo, essa extração em assentamentos rurais é comum no país. ‘Estudos recentes sobre assentamentos mostram que os moradores desses territórios convivem com a falta de acesso a serviços básicos, dificuldade de obtenção de crédito rural e pouca oferta de assistência técnica, o que dificulta o seu desenvolvimento sustentável. É preciso investir em projetos que incentivem o manejo florestal nos assentamentos”, afirmam os pesquisadores do Idesam.

Os pesquisadores ressaltam ainda que a extração ilegal de madeira traz consequências socioambientais negativas, como a perda de serviços ecossistêmicos e da biodiversidade, com a degradação florestal. Além disso, também pode estar relacionada com o crime de evasão de divisas, entre outros.

Mapa da exploração madeireira ilegal

De acordo com a pesquisa, a segunda maior parte da exploração ilegal de madeira em Roraima ocorreu em imóveis rurais privados (39,8%), seguida de vazios cartográficos (1,3%) e de terras não destinadas (0,6%). Os municípios de Rorainopólis, Caracaraí e São Luiz são os campeões da atividade ilegal, sendo Rorainopólis responsável por 54% de toda a extração não autorizada de madeira no estado.

Os assentamentos mais explorados de forma ilegal foram o projeto de assentamento dirigido (PAD) Anauá, com 275 hectares explorados, e o projeto de assentamento (PA) Ladeirão, com 15 hectares atingidos pela atividade.

Anúncio