“Não temos culpa pelo que ele fez”, diz irmã de vigia que matou crianças em creche

Nos últimos dias, ele se reaproximou da mãe, de 85 anos, e dormiu na casa dela na véspera do ataque

Belo Horizonte – “Eu só queria pedir que a sociedade entenda que nós sofremos muito e também somos vítimas. Não temos culpa pelo que ele fez, também estamos sentindo a dor dessas famílias.” É com essas palavras que a professora Simone Soares dos Santos resume o sofrimento que a família tem passado desde que o irmão, o vigia noturno Damião Soares dos Santos, de 50 anos, ateou fogo na creche Gente Inocente, em Janaúba, matando, além dele próprio, nove pessoas. Outras 25 estão hospitalizadas.

Damião recebeu o nome em homenagem a um santo, cujo dia é tradicionalmente comemorado com distribuição de doces para crianças (Foto: Divulgação)

Segundo a irmã, Damião morava sozinho havia mais de três anos, antes mesmo da morte do pai, Patrocino Soares dos Santos, de 81 anos, apontado como o motivo da desavença entre ele e a família. Nos últimos dias, porém, ele havia se reaproximado da mãe, de 85 anos, que tem a saúde debilitada, e dormiu na casa dela na véspera do ataque.

Simone conta que Damião passou por problemas pessoais após deixar a casa da família. Uma namorada ficou grávida, mas de outro homem. Ele nunca casou ou teve filhos.

A mãe, Joaquina Maria dos Santos, teve 11 filhos: quatro meninos e sete meninas. Boa parte da família foi criada na zona rural de Porteirinha, vizinha de Janaúba. Damião tem um irmão gêmeo, Cosme, que não mora mais na cidade. Os nomes foram dados em homenagem aos santos, cujo dia é tradicionalmente comemorado com distribuição de doces para crianças.

Vigilante da creche Gente Inocente havia oito anos, onde cumpria expediente de 12 por 36 horas, Damião completou os estudos tarde, fazendo supletivo. Não comparecia havia três meses à unidade, pois tinha férias acumuladas.

Entre moradores da região, é descrito como uma pessoa ‘reservada’ e de pouca conversa. Já vizinhos afirmam que ele era trabalhador, educado e prestativo.

Leia também

Dezoito crianças vítimas de tragédia em creche deixam hospital em Janaúba

Mais uma criança morre; sobe para 10 número de mortos em ataque a creche

Professora que lutou e morreu no incêndio em creche já tinha perdido filho por afogamento

‘Volta pra mamãe’, diz mãe de criança morta em creche; enterro foi sob forte comoção

Anúncio