Parentes e amigos se despedem de piloto de Marília Mendonça

Natural do Piauí, Geraldo Medeiros Júnior teria corpo cremado, mas família optou por sepultamento devido a demora em liberação

Brasília – Familiares e amigos se despedem na manhã deste domingo (7), em Brasília, do piloto Geraldo Medeiros Júnior, 56, morto após a queda do avião que transportava a cantora Marília Mendonça na sexta-feira, em Minas Gerais. Além da cantora e do piloto, outras três pessoas morreram no acidente.

O corpo do piloto seria cremado e as cinzas, levadas para Floriano (PI), cidade natal dele, mas a família não conseguiu a liberação da documentação e acabou optando nesta manhã pelo enterro em Brasília.

Velório do piloto Geraldo Medeiros Júnior, que transportava a cantora Marília Mendonça (Foto: Luiz Calcagno/R7)

Medeiros Júnior morava na capital federal e deixou a mulher e três filhos. A filha do piloto, Vitória Dias, postou uma despedida nas redes socias neste sábado. “Seu abraço é o mais cheiroso do mundo, sou infinitamente grata por ter permanecido no seu abraço e aproveitado de cada um”, postou.

O avião que Geraldo pilotava estava em situação regular e caiu a cerca de 5 quilômetros do aeroporto de Caratina, onde a artista faria uma apresentação. Na região onde aconteceu o acidente, de acordo com um relatório obtido pelo R7, o sistema de informações aeronáuticas apontava a existência de torres de alta-tensão.

A aeronave teria atingido um cabo de uma torre de distribuição antes de cair, conforme relatório da Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais). “A Cemig informa que o avião bimotor que transportava a cantora Marília Mendonça e outras quatro pessoas atingiu um cabo de uma torre de distribuição da Companhia no município de Caratinga”, informou o texto.

Tio de Geraldo, Antônio Augusto Martins de Medeiros, 71 anos, disse que conversou com o piloto na quinta-feira (4). Ele é de Fortaleza, mas está em Brasília visitando uma filha. Segundo Antônio, a família está abalada.

Ele contou que Geraldo tinha mais de 30 anos de experiência e também tinha trabalhado com o cantor Amado Batista. Emocionado, Antônio disse que a família está perplexa com o acidente e a morte do piloto. Ele soube do acidente pela TV.

“Eu estava em casa, vi na TV. Na noite anterior, tinha conversado com ele. Ele falou que faria essa viagem com a cantora no fim de semana. Sexta, sábado e domingo. A TV falava que a cantora tinha se acidentado. Eu deduzi que era ele. Todos ficamos em choque”, lembrou.

O corpo do copiloto da aeronave, Tarciso Pessoa Viana, de 37, que também morava em Brasília, está previsto para começar às 11h, no cemitério Campo da Esperança de Taguatinga. Ele deixou dois filhos, de 5 e 21 anos, além da esposa grávida de 7 meses.

Os corpos do piloto e do copiloto foram liberados pelo IML (Instituto Médico Legal) no sábado (6) e o translado de Minas Gerais a Brasília ficou sob responsabilidade da PEC Táxi Aéreo, empresa onde os comandantes trabalhavam.

O acidente

O acidente com o avião da cantora Marília Mensonça ocorreu na tarde de sexta-feira (5), na zona rural de Piedade de Caratinga (MG). O Corpo de Bombeiros foi acionado por volta das 15h30 para atender a uma ocorrência de queda de avião. A princípio, a assessoria de imprensa de Marília divulgou que ela estava bem e teria sido levada ao hospital. Horas depois, a notícia da morte foi confirmada.

Antes de embarcar, a sertaneja falou sobre a viagem no Twitter e brincou ao comentar sobre as delícias da culinária mineira que não poderia comer por causa de uma dieta restrita que estava fazendo. “Essa é a realidade meu povo! Me conta aqui nos comentários mais delícias desse estado maravilhoso que é Minas Gerais!”, escreveu ela na postagem. Pouco antes de embarcar, um vídeo dela também foi postado pelo produtor musical Henrique Ribeiro nas redes sociais.

Marília Mendonça tinha 26 anos e estava no auge de uma carreira que começou aos 12 anos. Ela teve várias músicas cantadas por artistas já consagrados até começar a gravar suas próprias composições, a partir de 2016. A cantora era conhecida como a “rainha da sofrência”,e estilo que abordava conflitos amorosos.

Além da cantora, morreram no acidente o tio e assessor da cantora, Abicieli Silveira Dias Filho, que a acompanhava em todos os shows, o produtor musical Henrique Ribeiro, o piloto, Geraldo Martins de Medeiros Júnior, e o copiloto Tarciso Pessoa Viana.

Anúncio