Preso por suspeita na morte de Marielle é condenado por contrabando

O processo é um desdobramento da apreensão de 117 fuzis; Ronnie Lessa é o principal responsável pelo arsenal

Rio de Janeiro – O ex-policial militar Ronnie Lessa, preso desde 2019 pelo assassinato da vereadora Marielle Franco foi condenado pela Justiça Federal, nesta segunda-feira (19), a seis anos e oito meses de prisão em regime semiaberto por contrabando de peças de armas de fogo.

(Foto: Reprodução Record TV)

O processo é um desdobramento da apreensão de peças de 117 fuzis desmontados em 2019 na zona norte do Rio. Na época, a investigação da Polícia Civil apontou Lessa como o responsável pelo arsenal.

Na decisão, a juíza ressaltou o fato do réu ser policial militar, e que tinha o conhecimento sobre a necessidade prévia da autorização para a importação de armas. “As consequências do delito também são especialmente graves, todo elemento probatório denota que o acusado importava tais componentes com objetivo de efetuar a montagem de armas de fogo que seriam inseridas na clandestinidade, o que afeta e coloca em risco milhares de pessoas”, escreveu a magistrada.

Anúncio