Restauração de bens danificados em janeiro deve ser aberta ao público

Trabalhos serão desenvolvidos pelo Iphan

Brasília – A Presidência da República estuda a instalação de um laboratório no Palácio da Alvorada para a restauração de bens danificados no dia 8 de janeiro deste ano. O projeto prevê que o público possa visitar a residência oficial da Presidência e observar o trabalho de técnicos no conserto de peças avariadas na invasão das sedes dos Três Poderes, em Brasília – Palácio do Planalto, Congresso Nacional e Supremo Tribunal Federal.blank

blank

(Foto: Joédson Alves / Agência Brasil)

O projeto é elaborado em parceria com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Cultural (Iphan) e com a Universidade Federal do Pelotas, que deve fornecer os profissionais para restaurar peças de valor histórico vandalizadas em janeiro.

O projeto ainda está em fase de estudo e deve ser anunciado em breve pela Presidência da República, segundo informou nesta quinta-feira (5), em Brasília, o presidente do Iphan, Leandro Grass.

“Estamos em fase final de um projeto de recuperação de algumas peças danificadas no 8 de janeiro. E é um desejo do presidente Lula e da Janja [primeira-dama] que isso aconteça no Palácio da Alvorada. Que a gente tenha um ciclo de visitações e de presença popular. O Alvorada vai abrigar o processo de restauração de algumas das obras de arte danificadas” durante os atos antidemocráticos, afirmou Grass.

A iniciativa prevê que os restauradores trabalhem para que as pessoas possam ver esse processo no subsolo da capela do Palácio da Alvorada. O diretor do Departamento de Patrimônio Material e Fiscalização do Iphan, Andrey Schlee, antecipou que esse laboratório deve ficar instalado por um ano para visualização do público.

Di Cavalcanti

Entre as peças que devem ser revitalizadas no Alvorada está a obra As mulatas, do pintor Di Cavalcanti. Ela foi esfaqueada por um dos vândalos do dia 8 de janeiro.

“A ideia é que a gente tenha não só o retorno da visitação aos palácios, mas o aumento dessa visitação e também mais uma ação de educação patrimonial para a população visualizar como se recupera o patrimônio, especialmente esse que ganhou um significado simbólico maior a partir do dia 8 de janeiro”, destacou Schlee.

Ele acrescentou que o Palácio do Jaburu – sede da residência oficial da Vice-Presidência da República – também deve ser aberto à visitação pública. O Iphan tem feito a recuperação dos lambris de madeira do Jaburu – painéis que revestem paredes ou forros de ambientes – que têm sofrido com a umidade do ar ao longo do tempo.

Anúncio