Saúde comemora novas doses e garante distribuição imediata

País recebeu 4 mi de vacinas da Oxford por meio do Covax Facility: ‘Muito importantes para nosso programa’, disse ministro Queiroga

Brasília – O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, acompanhou a chegada da última remessa da vacina de Oxford enviada pelo Covax Facility neste domingo (2) e garantiu a distribuição imediata das doses aos estados e municípios, em até 48 horas.

“Essas vacinas representam um esforço mundial para oferecer imunização à população de todo mundo, vitimada pela pandemia de covid-19 […] As doses que chegaram pelo Covax são muito importantes para nosso programa, vamos trabalhar muito fortemente para imunizar toda a população brasileira até o final de 2021 e voltar a nossa vida normal”, disse.

Queiroga esteve no Aeroporto de Guarulhos para recepcionar chegada das vacinas (Foto: Fepsil /TheNews2/Estadão Conteúdo)

Queiroga também pediu respeito ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). “É um dever de todos defender o PNI, porque é a forma mais eficiente de levar a vacina para o povo e com isso uma vida melhor”, afirmou.

Ao todo, neste final de semana, o país recebeu 4 milhões de doses da vacina de Oxford por meio do Covax Facility, o consórcio da Organização Mundial da Saúde (OMS) que facilita o acesso dos países em desenvolvimento à imunização. As vacinas chegaram em três voos que desembarcaram no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo.

O ministro também destacou que as doses enviadas pelo Covax Facility deveriam ter chegado em janeiro deste ano, mediante o acordo firmado entre o País e o consórcio em outubro de 2020.

“Devíamos ter recebido essas doses desde janeiro, mas com a dificuldade de vacinas em todo mundo, só estamos recebendo agora. É um esforço do governo federal, através da ampliação de nossas relações com a OMS. Agradeço ao presidente Jair Bolsonaro que tem sido um parceiro nessa iniciativa de vacinar nossa população”, afirmou.

A vacina de Oxford é desenvolvida pela farmacêutica sueca AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, e produzida no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O imunizante é administrado em duas doses, com intervaldo de três meses entre elas.

Segundo o Ministério da Saúde, nesta semana o país bateu o recorde em doses recebidas. Ao todo, 17 milhões de doses foram entregues ao PNI nos últimos cinco dias: 11,6 milhões de doses da vacina de Oxford pela Fiocruz, 1,1 milhão da Pfizer, 420 mil da CoronaVac pelo Instituto Butantan e 4 milhões da vacina de Oxford pelo Covax.

Mais de 31 milhões de pessoas receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19 no País, o que corresponde a 15% da população, sendo que mais de 15 milhões já receberam a segunda dose e estão completamente imunizadas.