Vacinação contra influenza é antecipada na região Norte

Segundo a ministra, o Brasil é muito desigual e não pode ter um calendário único de vacinação; o Norte sofre de forma antecipada

São Paulo – A campanha de vacinação contra a influenza, normalmente começa a ser aplicada em abril, em todo o país, mas vai ser antecipada na região Norte. As primeiras remessas da vacina chegam a partir da semana que vem. O anúncio foi feito pela ministra da Saúde, Nísia Trindade, nesta sexta-feira (10) após participar de evento na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

(Foto: Reprodução Unsplash)

“O Brasil é muito desigual, e não se pode ter um calendário único de vacinação. Nós estamos antecipando na Região Norte porque lá eles sofrem com a questão do vírus de influenza de forma antecipada. A visão é buscar tanto quanto possível para as diferenças regionais no Brasil”, disse a ministra.

Com relação à vacina bivalente contra a Covid-19, Nísia reforçou que o imunizante é de reforço e que necessita que o indivíduo tenha tomado pelo menos duas doses anteriores, conforme orientação científica. Ela disse que, neste momento, o foco deve ser não só de incentivar as pessoas a receberem a bivalente como de completar o esquema vacinal.

Segundo Nísia Trindade, já houve pactuação com os Estados e municípios para reduzir o número de pessoas que não tomaram a dose de reforço contra a Covid-19, e a meta é a de chegar a 90% da população coberta pelo esquema vacinal. “Estaremos com esse movimento ao longo de todo ano, para chegar o mais próximo possível desse objetivo. Há muitas dificuldades por conta de fake news e outros fenômenos que impactam. Nossa parte é facilitar ao máximo o acesso”.

A ministra disse que os estoques de vacinas infantis estavam zerados, e insuficientes no caso das bivalentes, no momento em que assumiu o ministério. Por isso, disse, em vez de campanhas pontuais, o governo articula um movimento de imunização, incluindo a covid-19. “Em relação a crianças e adolescentes, também estamos buscando intensificar essa vacinação com uma ação com o Ministério da Educação para a vacinação nas escolas, que ainda está sendo construída”, disse.

Com relação à vacinação contra a mpox, a ministra ressaltou que no momento não há previsão de aumento de público-alvo, porque o ministério segue as orientações internacionais. “Mas em caso de doenças que possam ter impactos em outro segmento, temos a vigilância permanente e o estudo. Isso é o que fizemos logo em um primeiro momento com a retomada do Comitê Técnico Assessor das Políticas de Imunização, se haverá alguma mudança. Nesse momento, não há indicativo de necessidade”.

Anúncio