Variante P-1 preocupa o mundo e aumenta pressão sobre o Brasil

No esforço para se antecipar à pressão internacional, governadores querem encaminhar documento ao presidente Joe Biden

São Paulo – A identificação, ainda em janeiro, nos EUA, de duas pessoas portadoras da variante brasileira do coronavírus P-1 e a recente identificação de 13 casos em 7 Estados do País reforçam a preocupação mundial e devem agravar as restrições a viajantes que tenham passado pelo Brasil.

Brasil confirma casos de variante britânica do coronavírus. (Foto: Divulgação/Rubens Cavallari/FolhaPress)

O governo brasileiro deve assistir nos próximos dias a um aumento da pressão internacional pela aceleração do programa de imunização e pelo controle mais rigoroso da disseminação na nova cepa do coronavírus, que foi encontrada no Amazonas e que tem potencial maior de contágio –  estima-se que seja três vezes mais virulenta (a proporção seria de até 1 transmissor para 9 contaminados).

Leia mais: Fiocruz detecta variantes do coronavírus em três regiões do País

Situação parecida ocorreu também no Reino Unido, que promoveu uma operação especial para rastrear, identificar e isolar todos os indivíduos portadores da P-1, bem como aqueles que tiveram contatos com brasileiros e que podem potencialmente transmitir a doença. O Reino Unido contabiliza hoje 187 óbitos por Covid-19 por 100 mil habitantes, uma das taxas mais altas do planeta.

Para a comunidade científica internacional, a circulação livre e descontrolada do coronavírus é a principal causa do surgimento de mutações cada vez mais agressivas, o que se torna uma ameaça ao esforço mundial pela produção de vacinas. Aos olhos das nações que têm obtido algum resultado no controle da pandemia, o Brasil é visto como nação onde é baixa a adesão voluntária da população às medidas de isolamento e prevenção e a circulação do vírus se dá de forma praticamente fora de controle e tornou-se um ambiente natural para a multiplicação de cepas.

No esforço para se antecipar à pressão internacional, governadores querem encaminhar documento ao presidente Joe Biden para acelerar o acesso a vacinas, nesta fase.

“Se o Brasil é um risco para o mundo, EUA, Reino Unido e Índia precisam nos ajudar”, diz Wellington Dias, governador do Piauí e coordenador do Fórum Nacional de Governadores. “A vacina é a solução definitiva”, completa.

Anúncio