Coari: R$ 1,4 milhão para asfaltar quatro ruas

A informação da obra em Coari foi publicada no Diário Oficial dos Municípios, na sexta-feira (22)

Manaus – Alvo de uma operação do Ministério Público do Estado (MP-AM) por fraudes em licitação, há menos de dois meses, a Prefeitura de Coari, comandada por Adail Filho (Progressista), vai pagar R$ 1,4 milhão pelo asfaltamento de quatro ruas, à empresa Michel da S. Freitas – EPP, fundada há dois anos. No cargo desde 2017, Adail Filho foi preso em setembro deste ano na operação ‘Patrinus’, do MP-AM, por indícios de desvios de R$ 100 milhões, sendo solto no mês seguinte. A informação da obra em Coari foi publicada no Diário Oficial dos Municípios, na sexta-feira (22), sem muitos detalhes. O documento informa apenas que o asfaltamento ocorrerá nas ruas Pedro Aguiar, Campos Oliveira, João Ramos Coelho e Rui Solto, mas não diz se as localidades possuem problemas graves de infraestrutura para respaldar o contrato milionário com uma empresa de pequeno porte – EPP -, cujo capital social é de R$ 520 mil. Questionada sobre o valor do serviço, a Prefeitura de Coari limitou-se a comunicar que as informações da obra constam no processo da Comissão de Licitação do Município, em fase de tramitação.

Quem assina

Apesar de não estar afastado do cargo, o prefeito Adail Filho delegou ao seu secretário municipal da Casa Civil, Bruno Gomes Pires, a responsabilidade de autorizar a obra com a empresa de Michel Freitas.

Pauta nacional

Antes de ser deflagrada a operação ‘Patrinus’, a Prefeitura de Coari foi tema de reportagem nacional no programa ‘Câmera Record’, da TV Record, em agosto deste ano, por desvio de verba pública.

Orçamento inflado

Em sua gestão, o prefeito Adail Filho recebeu mais de R$ 250 milhões em royalties referente às transferências das participações pela produção de petróleo e gás natural de Urucu.

Transparência CGU

O Portal da Transparência da Controladoria Geral da União (CGU) mostra que em 2017 o repasse de royalties a Coari somou R$ 58,5 milhões; 2018, R$ 86 milhões, e este ano ultrapassa a R$ 110 milhões.

Cirurgias suspensas

Cirurgias cardíacas no Hospital Universitário Francisca Mendes foram suspensas, em nível ambulatorial, por atraso nos pagamentos, segundo o comunicado da cooperativa médica que realizava o procedimento.

Clube Municipal

Os proprietários do Clube Municipal, na zona centro-oeste de Manaus, foram acionados pelo Ministério Público por perturbação do sossego público. Procurado, a casa de show não quis comentar o assunto.

*Com a colaboração de Bruno Pacheco

Anúncio