Ex-médico torna-se réu por omitir tortura em 1969

O documento omitiu as verdadeiras causas do óbito, a fim de encobrir a responsabilidade dos agentes da repressão

Brasília – O ex-médico legista José Manella Netto tornou-se réu por falsidade ideológica e ocultação de cadáver. A denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-integrante do Instituto Médico Legal (IML) de São Paulo foi aceita pela Justiça Federal e, com isso, a ação penal começa a tramitar. Em 1969, Manella Netto foi um dos autores do laudo necroscópico do corpo de Carlos Roberto Zanirato, militante político submetido a intensas sessões de tortura e morto em junho daquele ano. O documento omitiu as verdadeiras causas do óbito, a fim de encobrir a responsabilidade dos agentes da repressão. O relatório de Manella Netto, assinado em conjunto com o médico já falecido Orlando Brandão, corroborava a versão oficial sobre o episódio, segundo a qual o militante teria cometido suicídio ao saltar na frente de um ônibus na avenida Celso Garcia, zona leste da capital paulista. O documento oculta uma série de lesões que não poderiam ter sido causadas pelo impacto, mas por agressões anteriores.

Orçamento 1

Começou a tramitar, ontem, na Assembleia Legislativa do Estado (ALE), projeto de lei sobre a Lei Orçamentária Anual 2022. Enviado pelo Poder Executivo para análise e aprovação do Parlamento, o PL estima a receita e fixa despesas para o exercício financeiro de 2022.

Orçamento 2

O Governo do Amazonas estima a receita líquida para o próximo ano fiscal em
R$ 24 bilhões, estipulando a despesa em igual valor.

Apoio

O presidente da Assembleia Legislativa do Estado (ALE), deputado Roberto Cidade (PV), reforçou, ontem, a importância da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Amazonas Energia e pediu aos membros que sejam enérgicos com a concessionária, que segundo ele, presta um péssimo serviço à população.

Servidores

Quatro novos servidores aprovados no concurso público do Tribunal de Contas do Estado (TCE) tomaram posse, ontem. Em cerimônia comandada pelo conselheiro Mario de Mello, que deu as boas vindas aos novos integrantes do tribunal.

Anúncio