Girão: CPI não investiga corrupção em Estados

O senador defendeu a apuração de todas as irregularidades, inclusive as relacionadas com a compra de vacinas pelo Ministério da Saúde

Brasília – Em pronunciamento nesta quarta-feira (30), o senador Eduardo Girão (Podemos-CE) afirmou que em seus primeiros 60 dias de trabalho, a CPI da Pandemia dedicou-se unicamente a investigar as ações e omissões do governo federal, ignorando os desvios de recursos ocorridos em estados e municípios, inclusive referentes ao Consórcio Nordeste. Para ele, é preciso que haja um equilíbrio nas investigações. Nesse sentido, defendeu a apuração de todas as irregularidades, inclusive as relacionadas com a compra de vacinas pelo Ministério da Saúde. O senador cearense disse que houve um constrangimento no comando da comissão com o depoimento do deputado estadual Fausto Junior (MDB-AM), que falou sobre o relatório da CPI da Assembleia Legislativa, que investigou a corrupção na saúde naquele estado. Girão criticou o presidente da CPI da Pandemia, senador Omar Aziz (PSD-AM), por ter pago, na época em que era governador, milhões de reais em verbas indenizatórias, o que qualificou de “grande equívoco na gestão pública”.

‘Gângster’

Em ‘live’ realizada ontem com a deputada federal Carla Zambelli (PSL), o deputado estadual Fasto Jr. afirmou que o comportamento do senador Omar Aziz na CPI da Pandemia “mais parece comportamento de gângster”.

Maus caminhos

Ainda na transmissão, Fausto Jr. afirmou que “não se pode falar em corrupção no Amazonas, sem falar na Operação Maus Caminhos”, que envolveu pessoas próximas e até familiares ao senador Omar Aziz.

Pandemia

O fechamento de mais de mil empresas, os motivos e as alternativas para impulsionar o empreendedorismo foram os destaques da Tribuna Popular realizada, ontem, na Câmara de Municipal de Manaus (CMM).

Anúncio