No Amazonas, quem de fato manda no governo é o vice

A falta de conhecimento sobre a máquina pública levou Wilson Lima a permitir que Carlos Almeida, que é defensor, governe sem censuras

Manaus – A saída do ex-deputado Luiz Castro, uma indicação do governador Wilson Lima, da Secretaria de Educação (Seduc) e determinadas ações nada republicanas do vice-governador Carlos Almeida, de nomear servidores sem a assinatura do secretário da pasta, como ocorre na Secretaria de Polícia Fundiária (SPF), mostram que quem manda no governo do Amazonas, hoje, é o vice.

A falta de conhecimento sobre a máquina pública levou Wilson a permitir que Almeida, que é defensor, governe sem censuras. O vice tem o controle das principais pastas, Seduc, Secretaria de Estado de Saúde (Susam) e Casa Civil. Na SPF, a área que domina, Almeida chegou a ter uma ‘queda de braço’ com Wilson, com a saída de Keit Maciel, mas na prática, ela é quem ‘dá as cartas’.

A estratégia do vice de exibir ‘força’ tem gerado um desgaste entre os secretários. Ao se despedir do cargo, Castro sequer fez menção a Carlos, e recebeu a solidariedade dos gestores que já entenderam que, para permanecer no poder, precisam se submeter às vaidades do vice.

Medicamentos

A promotora de Justiça, Cláudia Maria Raposo da Câmara, vai investigar denúncia de irregularidades na aquisição de medicamentos pela Central de Medicamentos do Amazonas (Cema). A portaria de instauração do inquérito afirma que a denúncia foi feita de forma sigilosa ao órgão.

Gastos

A Casa Civil do Amazonas vai gastar R$ 225 mil para comprar 60 novos computadores para o órgão. A aquisição será por adesão a uma ata de registro de preço promovida, no ano passado, pela Defensoria Pública do Estado (DPE), órgão do qual está afastado, até o ano passado, o atual chefe da Casa Civil e vice-governador do Amazonas Carlos Alberto Almeida.

Urgente

Em junho deste ano, a chefe do Departamento de Administração da Casa Civil, Guiliana Pugliese, assinou declaração afirmando ser “urgente” a aquisição de novos equipamentos.