PF conclui que presidente não cometeu crime no caso Covaxin

O documento diz que o presidente não cometeu crime de prevaricação. “Não há materialidade, não há crime”, concluiu a PF

Brasília – A Polícia Federal (PF) enviou nesta segunda-feira (31), ao Supremo Tribunal Federal (STF) o relatório final sobre o inquérito aberto para apurar a conduta do presidente Jair Bolsonaro no caso da negociação para compra da vacina Covaxin. O documento diz que o presidente não cometeu crime de prevaricação. “Não há materialidade, não há crime”, concluiu a PF.

Sede da Polícia Federal em Brasília

Calçadas

A ampliação da calçada do Parque do Mindu de apenas 50 centímetros para 1,2 metro de largura vai garantir a segurança dos pedestres. A obra da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) bem poderia seguir adiante, ali perto, na movimentada Avenida Tancredo Neves e outras do Parque das Laranjeiras, onde o município deu licença para imóveis que deixaram menos de três palmos de calçada. A conferir.

Violência 1

Nesta terça-feira, 1º às 17h, ao vivo pelo Facebook, o Altas ODS Amazonas, ligado a Universidade Federal do Amazonas (Ufam), lança o boletim com indicadores de homicídios de mulheres no Estado.

Violência 2

A pesquisa identificou números significativos de homicídios de mulheres no Amazonas. Hoje, há 24 municípios acima da média nacional, além de nove com tendência de crescimento.

Erros

O ex-ministro da Fazenda Guido Mantega descartou, nesta segunda-feira (31), a possibilidade de participar de um eventual governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ele também admitiu ter cometido erros na condução da política econômica no governo Dilma Rousseff (PT). Mantega foi ministro do Planejamento no primeiro governo Lula.

blank

Povos A ministra Damares Alves, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos lançou nos estados de Mato Grosso (MT) e Mato Grosso do Sul (MS)o Plano de Ação de Defesa das Garantias de Direitos das Crianças e Jovens Indígenas (Foto: Clarice Castro/Ascom-MMFDH)

Anúncio