Ricardo Salles se une a Paulo Guedes contra Zona Franca

Ao site BRPolítico, Salles declarou que “em vez de continuar a dar subsídios a fundo perdido para fabricar bicicleta na Amazônia, vamos (referindo-se ao governo federal) fazer coisas que realmente precisam estar na Amazônia”

Brasília – Depois do ministro da Economia, Paulo Guedes, engendrar obstáculos aos incentivos tributários da Zona Franca de Manaus (ZFM), agora, é a vez do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, criar barreiras contra o modelo. Ao explicar a função da Secretária da Amazônia ao site BRPolítico, uma plataforma do portal do jornal Estado de S. Paulo, Salles declarou que “em vez de continuar a dar subsídios a fundo perdido para fabricar bicicleta na Amazônia, vamos (referindo-se ao governo federal) fazer coisas que realmente precisam estar na Amazônia”, disse o ministro, insinuando que o Polo de Duas Rodas poderá ser substituído por projetos nas áreas de Biotecnologia e Bioeconomia. As conjecturas do ministro lembram a tese levantada pela Coluna Claro&Escuro, no dia último dia 24, na qual trouxe informações sobre a tendência do governo de Jair Bolsonaro de iniciar um desmonte gradativo da ZFM à medida que implanta órgãos para fomentar negócios ainda abstratos na Amazônia, apontando para a total falta de responsabilidade com os efeitos econômicos e sociais que a medida deve trazer a toda a região.

Sem excludentes

Economistas e especialistas em mercado consultados pela coluna comentaram a falta de conhecimento do ministro Ricardo Salles sobre desenvolvimento sustentável, explicando que a criação do polo de Bioeconomia não pode e nem deve excluir o modelo estabelecido na ZFM.

Maior do País

O site da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Sufama) dá conta de que o Polo de Duas Rodas instalado no Polo Industrial de Manaus (PIM) é o único do País e o maior da América Latina, tanto em termos de quantidade de empresas quanto em termos de produção.

Elevado índice

O setor possui o mais elevado índice de adensamento de cadeia produtiva da Zona Franca de Manaus, com índices recordes de regionalização e nacionalização de insumos. O polo é constituído por cerca de 70 empresas, entre fabricantes de bens finais e de componentes.

Investimento pesado

A Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo) informa que o setor produziu quase 1 milhão de bicicletas e que o investimento dessas empresas até 2021 no PIM será de R$ 40 milhões. O Polo de Duas Rodas gera 4,6 mil empregos diretos e indiretos.