TCE alerta para riscos do WhatsApp na gestão pública

Confira as notas da coluna Claro & Escuro, do jornal Diário do Amazonas, desta terça-feira, 26 de novembro

Manaus – Idealizado pelo procurador de Contas Carlos Alberto de Souza Almeida, o Manual de Rotinas de Segurança da Informação lançado, nesta segunda-feira (25), pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), prevê riscos aos gestores públicos no uso do aplicativo de mensagens instantâneas mais usado, atualmente, o WhatsApp. Dois fatores foram apontados pelo procurador como sendo vulneráveis a vazamentos de informações: a captação por hackers das mensagens transmitidas (textos, fotos, vídeos e áudios), além do extravio do aparelho contendo as mensagens apagadas ou não do aplicativo. “A única coisa segura do WhatsApp é a ligação de um celular para o outro, porque o que fica registrado é o pacote de dados”, afirmou Carlos Alberto de Souza. Em maio deste ano, a administradora nacional do aplicativo admitiu que que hackers conseguiram instalar um software com sistema de vigilância remoto em telefones celulares, usando uma vulnerabilidade do programa de mensagens instantâneas. Apesar do WhatsApp ter garantido a correção da falha, usuários passaram a desconfiar da segurança do aplicativo.

Empresa israelense

O jornal britânico Financial Times informou que o software usado no ataque de junho foi desenvolvido pela empresa de segurança israelense Grupo NSO. Posteriormente, a companhia negou estar por trás do programa.

Tipo de informações

O Comitê Gestor de Segurança da Informação (CGSI) do TCE lançou o manual de segurança para resguardar dados da gestão pública que possam ser usados para benefício de interesses pessoais.

Ataques diários

Registros do Departamento de Tecnologia da Informação do TCE dão conta de que pelo menos 40 ataques de hackers são registrados ao mês no sistema do tribunal. A maioria com o objetivo de apagar processos.

‘Esquerda unida’

Representantes de seis partidos reuniram-se no último fim de semana, em Manaus, na 20º Conferência Estadual Comunista em Defesa da Democracia. Apesar de ser um evento do PCdoB, os partidos PDT, PSB, PSOL, PT e PMN marcaram presença para reforçar alianças políticas.