Amazonas segue em risco muito baixo para transmissão de Covid-19

Também chamada de “fase verde”, essa é a mais baixa classificação de risco

Manaus – O Amazonas segue em risco muito baixo para transmissão de Covid-19, com redução da taxa de positividade, de número de internações e de óbitos pela doença nos últimos 14 dias (12 a 25 de setembro). A atualização da situação da pandemia de Covid-19 no Amazonas está disponível no Boletim Epidemiológico da doença no estado, divulgado nesta terça-feira (27), no link.

(Foto: Camila Batista/Semsa)

Também chamada de “fase verde”, essa é a mais baixa classificação de risco no Plano de Contingência Estadual para o novo coronavírus. O boletim é uma produção da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Drª Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP).

O novo boletim apresenta análise dos últimos dois meses (25 de julho a 25 de setembro), destacando os últimos 14 dias (12 a 25 de setembro). Conforme o boletim, de 12 a 25 de setembro, houve redução de 44% na média diária de casos no Amazonas. Não houve registro de óbito por Covid-19 nos últimos 14 dias, com a última ocorrência de óbito por Covid-19 em 4 de setembro.

No mesmo período de 14 dias (12 a 25 de setembro), houve redução na ocupação de leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e de leitos clínicos, destinados a pacientes com Covid-19 na assistência à saúde pública e privada. A redução foi de 7% para 5% na taxa de ocupação de leitos de UTI e de 6% para 5% em leitos clínicos.

Nos últimos dois meses (25 de julho a 25 de setembro), houve 187 hospitalizações por Covid-19. Das quais 73 (39%) eram adultos com idade entre 20 e 59 anos, seguido de menores de 20 anos, 59 (32%) e 55 (29%) em maiores de 60 anos.

Dos 187 hospitalizados, 141 tinham idade elegível para a vacinação contra a Covid-19 (3 anos ou mais). Desses 141, 27 não tinham tomado pelo menos a 1ª dose da vacina e 7 pacientes não informaram o status vacinal. Os demais 107 pacientes tomaram pelo menos uma dose da vacina, mas 95 deles não tinham o esquema vacinal atualizado.

“Na população com 12 anos ou mais, os pacientes sem vacinação apresentam um risco 14,5 vezes maior de hospitalização do que aqueles com situação vacinal atualizada, com dose de reforço. Por isso, seguimos destacando a importância de atualizar o esquema vacinal”, afirma a diretora-presidente da FVS-RCP, Tatyana Amorim.

Ainda dos 187 hospitalizados, 90 pacientes apresentam, pelo menos, um fator de risco, sendo 55 pacientes com 60 anos ou mais. Desses 55 idosos, 38 possuem, pelo menos, um fator de risco. As comorbidades de maior ocorrência em idosos foram cardiopatias (39%) e hipertensão (39%).

Anúncio