Empresário contesta dados de Wilson Lima

O presidente do Cieam, Wilson Périco, afirmou que, mesmo com uma possível segunda onda não houve ações do governo. E ainda pediu para que o Governo não prejudique a sociedade

Manaus – Wilson Périco, presidente do Centro das Industrias do Amazonas(CIEAM), contestou durante reunião com o Governador Wilson Lima, realizada na noite deste sábado(26), as medidas adotadas pelo Governo do Amazonas no combate a Covid-19 no Estado. O empresário usou como base os nos dados divulgados ela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS) e número de leitos disponíveis nos hospitais da capital.

Segundo o empresário, que pediu para falar em nome da sociedade, os dados da FVS não condizem com o que foi repassado por Wilson Lima aos empresários. “O número de óbitos por Covid  no nosso estado não superarão sete por dia, como os números que o senhor acabou de passar, 800 em 90 dias”, disse Wilson Périco.

Outro questionamento levantado durante a reunião  foi a falta de informação sobre o número de leitos disponíveis no sistema público de saúde. ” Quantos leitos nós temos disponíveis no nosso sistema? É um dado que ninguém tem às claras. Nós não sabemos quantos leitos estão disponíveis nem na UTI, nem em leito clínico. Esses números variam de acordo com o vento. Nós passamos pelo pico da pandemia e os gráficos mostraram isso com os picos de falecimento, o caos no sistema público, a construção dos hospitais de campanha. Esses hospitais foram desmontados e agora o senhor traz um problema”, afirmou.

Mesmo com uma possível segunda onda não houveram ações do governo. E, no momento que  existe comoção familiar e social, além da principal data para o comércio, Wilson Périco pediu para que o Governo não prejudique a sociedade.

“A população deixou de dar importância a esse protocolo na época da eleição, onde ninguém veio falar para que as pessoas tomassem os cuidados para ir votar. Ninguém veio demonstrar a preocupação com a pandemia. Eu estou lhe afirmando que essa medida que o senhor publicou não trará benefícios a nossa sociedade e nem ao sistema de saúde. O que traz benefício ao sistema de saúde são ações contundentes para corrigí-lo. Em nove meses nada foi feito”. desabafou.

O empresário encerra o discurso dizendo que o decreto é uma maldade com a sociedade e que não existe colapso para que as medidas sejam tomadas. ” Agora que nós estamos vendo esse novo pico que está sendo afirmado aqui, não é problema do comércio e também o sistema de saúde não está no colapso como foi afirmado. A nossa FVS mostra que nós estamos nos mesmos índices dos últimos cinco anos. Agora que o sistema de saúde é deficiente, é sim. Agora não por conta da Covid”, encerrou Périco.