Governo do AM confirma reabertura de comércio e igrejas em Manaus, no dia 1º de junho

De acordo com o governador Wilson Lima, nos municípios do interior do Estado a reabertura gradual do comércio não essencial ocorrerá sob decisão dos prefeitos de cada região

Manaus – O governador do Amazonas, Wilson Lima, anunciou, na noite desta quarta-feira (27), a reabertura gradual do comércio não essencial em Manaus, a partir do dia 1º de junho. A medida também se estende às igrejas para a celebração de missas e cultos. O decreto que mantém apenas o comércio de serviços essenciais no Amazonas é válido até o dia 31 de maio.

“Todas as nossas decisões são responsáveis, equilibradas, levando em consideração uma série de fatores, como a diminuição dos casos (de Covid-19) na capital e o aumento da estrutura para o tratamento da doença. Conseguimos aumentar, significativamente, a quantidade de leitos clínicos e de UTI. Para se ter uma ideia, o Amazonas tem a melhor taxa de recuperação do País, que chega a 70%, enquanto que a média nacional é de 40%. O Estado possui mais de 33 mil casos confirmados e mais de 26 mil recuperados da Covid-19, nesta quarta”, disse Wilson durante coletiva de imprensa, na sede do governo.

Wilson Lima anunciou a reabertura gradual do comércio não essencial e das igrejas, em Manaus (Foto: Anamaria Leventi/Reprodução)

Segundo o governador, a reabertura gradual do comércio e das igrejas, a partir do dia 1º de junho, foi uma decisão do Gabinete de Crise do governo estadual e de especialistas, além de outras autoridades. “Toda essa reabertura será de forma gradual, seguindo as regras do distanciamento social, uso de máscaras, da quantidade permitida de pessoas nesses estabelecimentos, do uso de álcool em gel, da medição de temperatura e todo um conjunto de situações sanitárias que garantam a proteção das pessoas envolvidas nessas atividades”, explicou.

Durante a coletiva de imprensa, a secretária estadual de Saúde (Susam), Simone Papaiz, destacou que o planejamento para ampliação de novos leitos, equipamentos e itens essenciais, continuam até 9 de julho. “Atualmente, o cenário da estrutura assistencial hospitalar voltada ao atendimento da Covid-19 se mostra muito mais confortável que no início da pandemia”, disse.

Ainda segundo a secretária, houve avanços na melhoria da assistência, dos protocolos de atendimento, equipamentos e medicamentos. “Nós partimos de 639 para 1.138 leitos clínicos. O número de UTIs aumentou de 107 para 243, além de 79 ‘salas vermelhas’. A unidade de referência para tratamento, o Hospital Delphina Aziz, passou de 133 para 350 leitos”, explicou a secretária, afirmando que a programação para aumento de leitos também ocorrerá no Hospital Nilton Lins.

A reabertura das atividades pelo governo será feita em quatro ciclos: o primeiro a partir de 1º de junho; o segundo em 15 de junho; o terceiro em 29 de junho, e o quarto em 6 de julho. De acordo com o governador do Amazonas, a reabertura será somente em Manaus, enquanto que nos municípios do interior do Estado a reabertura gradual do comércio não essencial ocorrerá sob decisão dos prefeitos de cada localidade. “Por outro lado, caso os números voltem a se agravar, o Governo poderá retomar as restrições ao serviços não essenciais”, adiantou Wilson Lima.

Confira abaixo o planejamento da reabertura do comércio em Manaus.

***Matéria atualizada às 23h34 para acréscimo de informações***