Governo federal envia reforço para combater o novo coronavírus no Amazonas

Investimento de R$ 15 milhões, mais profissionais de saúde e instalação de novos leitos estão no pacote para combater a crise da saúde no Estado

Manaus – O Amazonas registrou, no dia 13 de março, o primeiro caso confirmado de uma pessoa infectada pelo novo coronavírus. Após um mês, já são 1.275 casos confirmados, 71 mortes e o sistema de saúde não suporta mais atender os doentes.

O Estado lidera o ranking nacional de casos e de mortes para cada grupo de 100 mil habitantes, é o quarto Estado com maior número de infectados e o quinto em número de mortes.

Um total de 350 novos leitos vão ser instalados e equipados no Hospital Delphina Aziz por meio dos R$ 15 milhões enviados pelo governo federal (Foto: Yago Frota/GDC)

O Ministério da Saúde anunciou, em entrevista coletiva no sábado (11), várias medidas para tentar conter a crise na saúde do Estado. Para o hospital referência em Manaus no tratamento de casos da doença, o Delphina Aziz, o governo federal vai enviar R$ 15 milhões para aumentar a capacidade do complexo hospitalar. Um total de 350 novos leitos vão ser instalados e equipados no local.

Técnicos de saúde do hospital Sírio Libanês, referência em São Paulo, especializados em gestão de crise, chegam a Manaus nesta segunda-feira (13) para intervir no sistema e criar soluções administrativas. Médicos intensivistas de outros Estados vão ser enviados à Manaus para atuar nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI). Será implementada a telemedicina nas UTIs de Manaus, e os pacientes serão acompanhados por médicos especialistas que estão em hospitais de referência de São Paulo.

“A situação hoje de Manaus é que a curva de contágio está muito próxima da nossa linha de atendimento. Nós chegamos em um ponto em que, se não tomarmos uma medida, o número de casos vai ultrapassar nossa capacidade de atendimento. As pessoas vão sentir, não vai ter leito, não vai ter respirador, e as pessoas poderão ficar desassistidas”, disse João Gabbardo, secretário-executivo do Ministério da Saúde.

Para Gabbardo, duas medidas que podem ser tomadas são: fortalecer as medidas de contenção e distanciamento social ou elevar a capacidade de atendimento. E as medidas tomadas pelo governo federal foram: construir um hospital de campanha no bairro Lago Azul, zona norte de Manaus, para atender a população indígena; liberar recursos para instalação de 350 leitos no Hospital Delphina Aziz, bairro Terra Nova, zona leste. Vinte respiradores foram enviados na sexta-feira (10) e mais 20 vão ser enviados para aumentar a capacidade das UTIs em Manaus. A partir desta segunda-feira (13), chegam médicos intensivistas experientes de outros hospitais do País, alguns do Rio Grande do Sul, outros de locais onde o número de atendimento ainda está tranquilo, que vão ser transferidos para locais que precisam de um maior atendimento.

Tele-UTI

Os pacientes das UTIs do Hospital Delphina Aziz serão acompanhados por meio de Tele-UTIs por profissionais dos hospitais de referência do Estado de São Paulo. A estratégia permite que os médicos possam discutir o atendimento com outros médicos por meio de consulta virtual, para adotar a conduta clínica mais adequada para cada paciente.

Programa Brasil Conta Comigo

O Ministério da Saúde vai enviar para Manaus, a partir desta segunda-feira (13) os primeiros profissionais cadastrados no Programa Brasil Conta Comigo, lançado no início de abril, para auxiliar Estados e municípios nas ações de enfrentamento ao novo coronavírus.

“Será o primeiro Estado onde vamos fazer convocação dos voluntários que se cadastraram. Em Manaus temos mais de 1 mil enfermeiros, cadastrados no Conselho Federal de Enfermagem, além de 80 médicos cadastrados no Conselho Federal de Medicina. Esses profissionais de saúde estão dispostos a serem contratados pelo Ministério da Saúde para ampliar o atendimento à população de Manaus”, disse o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Jõao Gabbardo.

Anúncio