Indicação de Joelson Silva propõe distribuição de máscaras em filas de agências bancárias

A Indicação foi aprovada em sessão plenária virtual e já seguiu para o prefeito Arthur Neto

Manaus – A exposição de um grande número de pessoas em filas da Caixa Econômica Federal para recebimento do auxílio emergencial levou o presidente da Câmara Municipal de Manaus (CMM), Joelson Silva (Patriota), a solicitar do Executivo, que seja feita a distribuição de máscaras e orientação de uso do material para proteção contra a Covid-19. A Indicação foi aprovada em sessão plenária virtual e já seguiu para o prefeito Arthur Neto.

(Foto: Divulgação/CMM)

A proposta é que a ação seja feita o mais breve possível pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa). O órgão já está na linha de frente e possui todos os meios necessários para o combate ao novo coronavírus na capital amazonense, como informa o parlamentar.

“Temos assistido a uma aglomeração cada vez maior em frente às agências da Caixa, o que aumenta o risco de contágio. Por isso, propusemos que a Semsa faça a distribuição das máscaras e oriente o uso das mesmas nessas filas, como forma de preservar vidas”, justificou Joelson Silva.

A solicitação soma-se a outras sete indicações feitas recentemente pelo vereador, também destinadas ao enfrentamento da pandemia, mas direcionada exclusivamente aos servidores da saúde.

Joelson Silva lembrou que há um esforço ímpar em várias cidades do país para evitar o avanço da doença, mas o desrespeito ao que é preconizado, principalmente pelo próprio Ministério da Saúde, ainda prevalece nesses locais.

Muita gente tem madrugado em frente das agências e o fluxo cresceu nos últimos dias, por conta da liberação do auxílio emergencial de R$ 600. O recurso é destinado pelo governo federal aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados, com o objetivo de fornecer proteção emergencial no período de enfrentamento à crise causada pela pandemia da Covid-19.

Recomendação

A preocupação do surgimento de novos casos abrange, também, trabalhadores do próprio banco. Em algumas capitais, como Rio de Janeiro, por exemplo, sete agências não abriram as portas no início desta semana, porque funcionários apresentaram sintomas ou testaram positivo para a doença.

“O Ministério da Saúde tem recomendado o distanciamento de dois metros, o que também não tem sido respeitado por alguns. Por esse e outros motivos, acredito que o uso da máscara é de fundamental importância, tanto para quem está buscando o benefício, quanto pelas pessoas que fazem a intermediação para que o mesmo chegue às famílias. Nossa preocupação deve ser com todos”, frisou Joelson Silva.