Sistema de saúde do Estado está com 95% dos leitos ocupados

Com poucos leitos disponíveis, num momento em que também há casos de síndrome respiratória aguda grave, o sistema pode entrar em colapso nos próximos dias

Manaus – O secretário estadual de Saúde, Rodrigo Tobias, informou na tarde desta segunda-feira (6), em entrevista transmitida pelas redes sociais do governo, que o sistema de saúde está com 95% da capacidade de leitos ocupados, e que poderá entrar em colapso nos próximos dias.

“O sistema de saúde ainda não entrou em colapso, entretanto, o nosso sistema é limitado. Temos apenas 5% dos leitos vazios e eles podem ser ocupados nos próximos dias. Estamos em um período sazonal, além do novo coronavírus, temos também vários casos de síndrome respiratória aguda grave, que se confunde com a covid-19. Os leitos estão ocupados por ambos os casos, casos confirmados e casos suspeitos. Nosso sistema poderá entrar em colapso nos próximos dias, tanto nos hospitais públicos quanto privados”, disse Rodrigo Tobias.

Os leitos do sistema de saúde estão ocupados por casos confirmados e casos suspeitos da doença, diz o secretário estadual de Saúde, Rodrigo Tobias (Foto: Yago Frota/GDC)

O secretário contou que firmou contrato com o hospital da Universidade Nilton Lins, bairro de Flores, zona centro-sul, para ampliar o número de leitos clínicos novos. A Secretaria de Saúde vai montar uma estrutura de ‘guerra’ para combater o vírus. Os casos suspeitos vão ser levados para a ‘Sala Rosa’ das Unidades Básicas de Saúde. Quando a pessoa for diagnosticada com o vírus, casos mais leves vão ser encaminhados ao hospital da Nilton Lins para serem tratados. Casos mais graves serão levados para o Hospital Delphina Aziz, que fica no bairro Terra Nova, zona norte.

A diretora-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), Rosemary Pinto, alertou que pessoas do grupo de risco, como obesos, diabéticos, hipertensos, doentes cardíacos e pulmonares, não devem esperar o quadro agravar e precisam procurar um médico o quanto antes. Em todas as 19 mortes registradas no Amazonas, os pacientes tinham uma dessas comorbidades e chegaram no atendimento médico com um grau alto de comprometimento da saúde, o que aumentou o risco de morte.

Rosemary falou que o pico da epidemia terá um período de grande preocupação até a segunda semana do mês de maio, e que isso depende da atitude das pessoas que devem evitar aglomerações e ficar em casa. Também alertou que, se a pessoa tiver sintomas respiratórios, deve se isolar em casa, para evitar infectar seus familiares, pois tanto a covid-19 quanto outros vírus são transmitidos da mesma forma.

115 novos casos

Os números de casos do novo coronavírus no Estado foram anunciados pela Fundação de Vigilância em Saúde na tarde desta segunda-feira (6). Foram registrados 115 novos casos, em relação ao boletim divulgado no domingo (5) de pessoas infectadas. Pelo segundo dia consecutivo, o Amazonas registrou mais de 100 casos em apenas 24 horas. No total são 532 casos, sendo 473 na capital Manaus e 59 no interior do Estado.

Municípios como São Gabriel da Cachoeira, Novo Airão e Jutaí registraram seus primeiros casos de infectados. Manacapuru tem 28 casos, Santo Antônio do Iça 7; Itacoatiara 8; Parintins 4; Tonantins e Iranduba 3; e Boca do Acre, Anori, Novo Airão, Careiro da Várzea, Jutaí e São Gabriel da Cachoeira estão com um caso cada.

O Estado já tem 19 mortes pela Covid-19, quatro mortes a mais em relação ao boletim divulgado no domingo, o que representa uma letalidade de 3,57% em relação ao número de infectados. Foram notificados 35 óbitos, 19 deles confirmados que a causa da morte tem relação com a covid-19. Sete desses casos ainda estão em investigação e 9 foram descartados.

Passaram por exame 2.753 amostras de casos suspeitos, das quais 19,3% testaram positivo. Ainda aguardam resultado do exame para saber se estão infectadas 860 pessoas. E 44 pacientes já estão fora do período de transmissão.

Estão em isolamento social 387 pessoas, o que representa 72,7% dos casos. Estão internados
226 pacientes, ou seja, 42,4%. Dos internados confirmados, 45 estão internados na rede privada, sendo 22 em Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs). Trinta e sete pessoas estão em hospitais públicos, sendo que 16 delas estão em UTIs. São 38 casos confirmados internados em UTIs. E 144 pessoas com suspeitas de Covid-19 encontram-se internadas, aguardando resultado de exame: 49 na rede privada, sendo 29 em UTIs e 95 na rede pública, sendo 12 em UTIs. São 41 casos suspeitos internados em UTIs. Entre casos confirmados e suspeitos, são 79 pessoas internadas em UTIs.

O secretario Rodrigo Tobias comentou que fez um pedido, há três semanas, de respiradores para os hospitais, mas como a procura é alta, ele está tentando conseguir o produto com novos fornecedores. Parte da compra já feita vinha da China e foi confiscada nos Estados Unidos. Ele disse que espera que o presidente norte-americano, Donald Trump, abra as fronteiras do País para que a mercadoria possa chegar ao Amazonas.

Em relação ao tratamento de pessoas com os medicamentos cloroquina e azitromicina, o sistema de saúde local segue as normas técnicas do Ministério da Saúde. O Estado recebeu 11 mil comprimidos de cloroquina, o que corresponde a 600 tratamentos.

Anúncio