Sobras de vacina são aplicadas em pessoas cadastradas no Imuniza Manaus

As ligações são realizadas seguindo a ordem do cadastramento e a Ouvidoria realiza três tentativas de contato

Manaus – A Prefeitura de Manaus está realizando o aproveitamento racional das sobras de vacina contra a Covid-19, possibilitando que, em média, 15 pessoas sejam vacinadas diariamente, a partir de listas oficiais de prioridade para utilização das sobras. A metodologia da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) tem o objetivo de garantir que o acesso às vacinas que não foram utilizadas nos postos de vacinação seja justo e contemple as pessoas mais vulneráveis à doença.

(Foto: João Viana / Semcom)

Para não haver perda de doses, uma vez que depois de aberto o frasco da vacina Oxford/AstraZeneca deve ser utilizado em até seis horas e da CoronaVac/Butantan, em até oito horas, a Semsa está elaborando listas semanais de pessoas cadastradas no Imuniza Manaus, que se enquadram nos grupos prioritários seguintes à etapa atual de vacinação. O contato com as pessoas contempladas é feito pela Ouvidoria Municipal do Sistema Único de Saúde (SUS) para avisá-las sobre a possibilidade de vacinação com as sobras de vacina.

A secretária municipal de Saúde, Shádia Fraxe, explica que, seguindo a determinação do prefeito David Almeida, a Semsa adotou uma metodologia própria, evitando que as sobras fossem utilizadas de modo aleatório, como acontece em muitos municípios. “Estamos fazendo o uso racional e transparente da vacina, por isso as sobras estão sendo aproveitadas para imunizar pessoas que já se cadastraram e integram grupos prioritários”, acentuou.

As ligações são realizadas seguindo a ordem do cadastramento. A Ouvidoria realiza três tentativas de contato com o usuário e quando este não atende a ligação, a equipe liga para o próximo da lista, até completar 20 pessoas efetivamente contatadas e com confirmação de interesse na sobra de doses. Todos os status das ligações são registrados em planilhas (se o usuário atendeu ou não, se acertou dia e horário, mas não compareceu, por exemplo), para possibilitar o monitoramento da vacinação.

Transparência

Seguindo o processo de transparência da gestão municipal, as listas dos que podem receber as sobras estão disponíveis ao público no portal da Semsa, na aba “Sala de Situação”, localizada na parte inferior do site, na seção “Novo Coronavírus”. Para conferir basta clicar no link.

Para a utilização racional das sobras, a Semsa inicialmente priorizou aqueles usuários cuja idade ainda não estava sendo contemplada no grupo dos idosos, conforme a nota técnica no  001/2021 (Devae/SUBGS/Semsa), que orienta sobre a utilização das sobras de vacina em frascos multidoses, nos postos de vacinação contra a Covid-19 em Manaus.

“Estávamos vacinando pessoas de 70 a 74 anos, quando foi extraída a lista de pessoas de 69 anos com comorbidades para se vacinarem com as sobras, e assim por diante, contemplando a idade subsequente, até chegarmos aos trabalhadores da saúde que, por algum motivo, não se vacinaram na data marcada”, explicou a assessora técnica Aline Rosa Martins.

A extração dos 150 nomes para a lista de sobras de vacina é feita pelo Departamento de Tecnologia da Informação (DTI) na plataforma Imuniza Manaus, que envia a lista para a Ouvidoria Municipal do SUS.

A vacinação acontece na Divisão de Imunização do Disa Oeste, localizada na rua Comandante Paulo Lasmar, s/nº, Conjunto Santos Dumont, bairro da Paz, zona Centro-Oeste.

No momento, as listas seguem contemplando os trabalhadores da saúde. Além de documento pessoal com foto e CPF é necessário comprovar o vínculo com a instituição de saúde pública ou particular em Manaus, por meio do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (Cnes).

Exemplo

O sistema de utilização das sobras de vacinas de Manaus é um dos mais organizados do Brasil, porque o Imuniza Manaus facilita a identificação dos grupos prioritários, o que permite um controle geral sobre os cadastrados.

Em outros centros urbanos a ausência de um monitoramento, a demanda diária livre (quem estiver presente no local), falta de controle sobre os cadastrados e busca ativa no entorno para identificar grupos prioritários, sem a garantia de que o usuário esteja realmente em situação de prioridade, são algumas fragilidades encontradas.

Aline Rosa Martins acrescenta que o sistema colocado em prática pela Prefeitura de Manaus foi elogiado pelo Ministério Público de Contas, que aconselhou que as demais cidades amazonenses o adotassem.

Anúncio