Vacinação de crianças contra a Covid-19 será feita em quatro locais em Manaus

O início da campanha na capital depende do recebimento das doses do imunizante

Manaus – A vacinação de crianças de 5 a 11 anos contra a Covid-19 em Manaus estará concentrada em apenas quatro locais de grande fluxo e com condições para o cumprimento das recomendações de segurança da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A orientação está no Plano de Operacionalização da Prefeitura de Manaus para essa nova etapa da campanha, aprovado nesta terça-feira(11), pelos membros do Gabinete de Crise da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa).

(Foto: Divulgação)

Além da estratégia de atendimento concentrado, o documento define a vacinação por escala de prioridades e idade, os documentos obrigatórios para acesso à vacina e outras recomendações baseadas em nota técnica emitida pelo Ministério da Saúde (MS) no último dia 5.

Nos locais de aplicação da vacina pediátrica contra a Covid-19, não haverá aplicação de outros tipos de vacina para a mesma faixa etária, nem a imunização dos demais públicos. Os espaços serão exclusivos e controlados.

A meta é de vacinar 90% da população de 5 a 11 anos residente em Manaus que, de acordo com projeção do MS, totaliza 260.721 crianças. A vacina utilizada será a Pfizer pediátrica, única autorizada para esta faixa etária no país, e que traz um frasco na cor laranja, para evidenciar a diferença com a vacina utilizada no público de 12 anos e mais, cuja embalagem é roxa.

O primeiro grupo a ser vacinado é o de crianças com deficiência permanente e as que têm comorbidades. Depois, serão vacinadas as crianças indígenas e quilombolas. O terceiro grupo será o das que vivem em instituições de longa permanência (abrigos e orfanatos); e, a partir daí, a vacina passa a ser oferecida de acordo com a idade, sendo uma idade por vez.

A chefe da Divisão de Imunização da Semsa, Isabel Hernandes, responsável pela apresentação do plano, observa que o cronograma será estabelecido de acordo com a disponibilidade de doses. Ela salienta que, para o público infantil, o ritmo de vacinação será mais lento porque exige alguns cuidados adicionais, como a observação da criança vacinada pelo período de 20 minutos após a administração da dose.

Para ser vacinada, a criança deverá estar saudável e não pode ter recebido nenhuma outra vacina nos 15 dias anteriores. Pais ou outros responsáveis precisarão levar ao ponto de vacinação três documentos do menor: certidão de nascimento ou um documento original com foto; cartão nacional do SUS ou CPF, e a caderneta de vacinação. No caso das crianças com comorbidades, deve ser apresentado laudo médico.

O início da campanha na capital depende do recebimento das doses do imunizante, que devem chegar ao país nesse dia 13, para distribuição posterior a estados e municípios.

Anúncio