Avicultores do Amazonas tratam do cadastro e registro de granjas

O objetivo é a emissão da Guia de Transporte Animal (GTA), que permite transportar os pintos para fins de postura e abate, oriundos dos incubatórios

Manaus – Com o fortalecimento da cadeia produtiva do ovo, em função do valor de sua proteína e os menores preços do mercado, frente à carne, por exemplo, a população passou a consumir grandes quantidades de ovos, o que tem levado ao crescimento do setor da avicultura.

De acordo com a Associação Amazonense de Avicultura (Aama), a atividade reúne mais de 30 mil pessoas na cadeia produtiva de ovos com 450 granjeiros que produzem aproximadamente 3 milhões de ovos diários.

Com o objetivo de regularização de granjas de todos os tamanhos, quanto ao cadastro e registro, a Aama e a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Amazonas (Faea) estão convocando os avicultores para uma reunião nesta quinta-feira (8), às 14h, no auditório da Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror), localizado na Rua Carlos Drummond de Andrade, nº 1460, no bairro Japiim, zona sul de Manaus.

Avicultores do Amazonas tratam do cadastro e registro de granjas (Foto: Divulgação)

Na ocasião, serão tratadas questões relacionadas ao cadastro e registro dos estabelecimentos avícolas, para que eles possam emitir a Guia de Transporte Animal (GTA), com o objetivo de transportar os pintos para fins de postura e abate, oriundos dos incubatórios.

Representantes da Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), da Faea, Sepror, do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam), Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV) e a diretoria da Aama estarão presentes, a fim de orientar como proceder com o documento.

Importância do cadastro

De acordo com 0 presidente da Aama, Luiz Mário Boratto Peixoto, “é fundamental a realização de cadastro ou registro dos avicultores, para que eles se adequem às exigências do Mapa e da Adaf, dentro dos padrões sanitários e de transporte exigidos pela legislação”.

O presidente da Faea, Muni Lourenço, disse “que tudo que for feito para o fortalecimento da avicultura regional é bem vindo, porque é um setor importante para a população pelos benefícios dos ovos à saúde e, também, pelo custo/benefício pelo seu alto valor proteico e pelo consumo em grande escala da população”.

Anúncio