AM tem 3º maior taxa de informalidade ao atingir 57,7% da população ocupada

Trabalhador que atua por conta própria sem CNPJ é a categoria que concentra a maior quantidade de informais (564.000)

Manaus – A taxa de informalidade no Amazonas no segundo trimestre do ano atingiu 57,7% da população ocupada, a terceira maior do País e o desemprego caiu para 10,4%, mas ainda está acima da média nacional, de 9,3%. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgados na sexta-feira (12), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

(Foto: Francisco Rodrigues / Arquivo-GDC)

No Amazonas, o trabalhador por conta própria sem CNPJ é a categoria que concentra a maior quantidade de informais (564.000). Seguindo o índice de informalidade no Estado manteve-se estável em relação ao primeiro trimestre de 2022 (58,1%), caindo 0,4 ponto percentual. Embora ainda seja considerada elevada, a taxa de trabalhadores sem carteira assinada ou que prestam serviços sem CNPJ é a mais baixa registrada desde o terceiro trimestre de 2020.

Já a taxa de desocupação, entre abril e junho de 2022, caiu 2,6 pontos percentuais em relação ao trimestre anterior e ficou em 10,4%, acima da média do País. Em relação aos Estados e Distrito Federal, a taxa do Amazonas foi a 12ª maior, empatada com a do Ceará.

De acordo com o IBGE, o rendimento médio de todos os trabalhos das pessoas ocupadas manteve-se estável, com variação de 2,4%, em relação ao trimestre anterior (R$ 48,00 a mais), passando de R$ 1,974,00, no primeiro trimestre, para R$ 2.022,00, no segundo.

Anúncio