Amazonas é o 19º Estado no ranking de produção de pescado

O Estado participou com apenas 1,6% da produção do País, equivalente a 8,1 milhões de quilos, o que corresponde a R$ 69,4 milhões no valor da produção

Manaus – O Brasil produziu 519,3 milhões de quilos de peixes e piscicultura em 2018. Desse contingente, o Amazonas participou com apenas 1,6%, equivalente a 8,1 milhões de quilos, o que proporcionou R$ 69.4 milhões no valor da produção; ocupando a 19ª posição na comparação com outros Estados, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A produção foi concentrada principalmente no tambaqui e na matrinxã. Os dois foram responsáveis por 97% do pescado produzido em cativeiro no Amazonas. Ambos os peixes apresentaram crescimento em relação ao ano anterior, o tambaqui aumentou 7,8% e a matrinxã 4,7%. Esses dois peixes foram responsáveis por R$ 67 milhões em valor de produção.

A produção de tambaqui e matrinxã lideraram o polo de pescado do Amazonas, no ano passado (Foto: Eraldo Lopes/Arquivo/GDC)

A produção de tambaqui em cativeiro foi detectada em 49 municípios do Amazonas. A maior produção está concentrada em Rio Preto da Eva (996 toneladas), Manaus (840 toneladas), Iranduba (810 toneladas), Manacapuru (600 toneladas) e Itacoatiara (600 toneladas). Estes seis municípios representam 63% da produção do Estado, que em 2018 atingiu 6.075 toneladas.

A criação de matrinxã alcançou 1,8 mil toneladas em todo Estado. Rio Preto da Eva teve a maior produção (795 toneladas) seguido de Manaus (300 toneladas), Manacapuru (180 toneladas) e Presidente Figueiredo (180 toneladas). O valor de produção da matrinxã alcançou R$ 15,5 milhões; sendo criada em 32 municípios. Codajás liderou a piscicultura do pirarucu com 42 toneladas, seguido por Manacapuru e Coari (40 toneladas) e Manicoré (13,8 toneladas).

O Estado com maior produção de peixes do País foi o Paraná com 121.2 milhões de quilos; seguido por São Paulo com 51.3 milhões de quilos. Na terceira posição ficou Rondônia com 50.1 milhões de quilos no ano.

Galináceos e bovinos formam os maiores rebanhos do Amazonas. Os galináceos que são galos, galinhas, frangas, frangos, pintos e pintainhas; são a maioria (3,8 milhões de cabeças). Nesse grupo, a maior parte (72%) é formada por galinhas que são as fêmeas destinadas a produção de ovos. Já os bovinos alcançaram no ano 1.3 milhão de cabeças. Os bovinos cresceram 2,4% em relação ao ano anterior; já os galináceos caíram 0,7%.

Entre os dez municípios com maior produção de bovinos do Amazonas, cinco estão localizados no sul do Estado. Lábrea lidera a criação com 300 mil cabeças, Boca do Acre (210 mil), Apuí (140 mil), Manicoré (115 mil) e Parintins (52 mil). Somente os cinco primeiros municípios criam 59% do rebanho do Estado.

Manaus lidera a criação de galináceos com 2.1 milhões de cabeças, seguida por Iranduba (450 mil), Manacapuru (157 mil) e Rio Preto da Eva (115 mil). Entre os produtos, o ovo de galinha é o de maior valor de produção (R$ 200 milhões).