Amazonas gerou 11 mil novos postos de emprego, de acordo com o Caged

O setor que mais empregou foi o de serviços, com 3,6 mil novas vagas; o Estado acompanhou o movimento nacional que, em 2019, gerou 644 mil postos de empregos formais

Manaus – No ano passado, o Amazonas gerou 11,1 mil postos de emprego a mais, de acordo com os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia. O saldo foi verificado após 152 mil contratações contra pouco mais de 140 mil demissões de janeiro a dezembro do ano passado. O resultado segue o País, que em 2019, criou 644 mil novos empregos com carteira assinada.

O País fechou o ano de 2019 com a maior abertura de postos desde 2013 (Foto: Agência Brasil)

 

O resultado do Amazonas teria sido melhor se não fosse o último mês de 2019, quando o Estado perdeu de 3,9 mil postos formais de trabalho. Também em dezembro, o mercado de trabalho brasileiro fechou 307,3 mil postos.

No balanço do ano, o setor de serviços superou a indústria com a abertura de 3,6 mil vagas. O Polo Industrial de Manaus (PIM) contribuiu com saldo de 3,1 mil postos. A construção civil e o comércio geraram pouco mais de 2,1 mil empregos, cada.

No País, os 644 mil empregos com carteira assinada em 2019 representaram a maior abertura de vagas formais desde 2013. O saldo de 2019 foi resultado de 16,1 milhões de admissões e 15,5 milhões de demissões ao longo do ano.

Em 2018, o saldo havia sido de 529,5 mil postos de trabalho, na série já com ajustes (que inclui declarações fora do prazo).

O desempenho do emprego nacional em 2019 foi puxado pelos setores de Serviços e Comércio, mas o Caged registrou resultado positivo em todos os setores da economia no ano passado.

O saldo de Serviços no ano foi positivo em 382,5 mil vagas, seguido pelo Comércio, com a abertura de 145,4 mil postos de trabalho no ano.

A Construção Civil abriu 71,1 mil vagas em 2019, seguida pela Indústria da Transformação (18,3 mil vagas), Agropecuária (14,3 mil vagas), Serviços Industriais de Utilidade Pública (6,4 mil vagas), Extração Mineral (5 mil vagas) e Administração Pública (822 vagas).

O Caged registrou saldo positivo em todas as regiões do País.

A criação de vagas no ano passado foi liderada pela região Sudeste, com saldo positivo de 318.219 postos de trabalho, seguido pelas regiões Sul (143.273 vagas), Nordeste (76.561 vagas), Centro-Oeste (73.450) e Norte (32.576).

O Caged registrou abertura de vagas em todos os Estados em 2019. Os que criaram mais empregos foram São Paulo (184,1 mil), Minas Gerais (97,7 mil) e Santa Catarina (71,4 mil vagas).

O salário médio de admissão teve queda real de 0,15% em dezembro de 2019, ante igual mês de 2018, para R$ 1.595,53.

Anúncio