Aneel aprova leilão de linhas da Amazonas GT e construção de novas subsestações

O edital contempla, ainda, a estimativa de criação de 15,4 mil empregos diretos com a contratação de novas linhas e 6.420 megavolt-ampères (MVA) em capacidade de transformação, como é o caso do Amazonas

Manaus – A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) fará leilão para a revitalização e implantação de linhas de transmissão na capital e na Região Metropolitana de Manaus e em Presidente Figueiredo (a 117 quilômetros ao norte de Manaus), além de melhorias e construção de novas subestações. O sistema que hoje é gerido pela Amazonas Geradora de Energia (Amazonas-GT) será repassado para outra empresa, após a concessionária optar por não renovar o contrato de concessão. Nesta quinta-feira, 6, a agência aprovou o Edital do Leilão de Transmissão nº1/2000, para o dia 17 de dezembro, com previsão de investimentos de R$ 7,7 bilhões em 11 lotes, com a contratação de 1.958 Km de novas linhas em nove Estados.

O edital contempla, ainda, a estimativa de criação de 15,4 mil empregos diretos com a contratação de novas linhas e 6.420 megavolt-ampères (MVA) em capacidade de transformação, como é o caso do Amazonas.

 

Aneel fará leilão para revitalização e implantação de linhas de transmissão (Foto: Eraldo Lopes/Arquivo-GDC)

De acordo com o edital, o vencedor do lote 11, atualmente sob responsabilidade da Amazonas-GT fará instalações e receberá a administração, operação e manutenção das existentes, e a atribuição de revitalizar essas instalações.

Estão previstas a revitalização das subestações de 230 kV Manaus,  Cristiano Rocha e Lechuga, e de novas linhas, entre elas uma de 12,2 quilômetros entre a subsestação Lechuga  e Tarumã, com trechos aéreos e subterrâneos.

Além do Amazonas, os lotes compreendem investimentos nos Estados da Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e São Paulo. Os dois últimos são os Estados com o maior número de novas instalações a serem licitadas. Os prazos de conclusão das obras variam de 42 a 60 meses.

Durante a votação do tema, a Diretoria Colegiada da Aneel concordou em incluir no texto do voto o impedimento de que as concessões a serem licitadas passem por transferência de controle antes da entrada em operação comercial.

O edital segue para verificação do Tribunal de Contas da União (TCU). Caso haja alterações, será novamente apreciado pela Diretoria Colegiada da agência, em novembro próximo. O texto aprovado considerou 500 sugestões da sociedade, obtidas por meio da Consulta Pública nº 46/2019, realizada em duas fases – de 20 de dezembro de 2019 a 3 de fevereiro 2020, com 18 participantes, e de 14 de maio a 29 de julho de 2020, com 29 participantes.

Anúncio