Após saída da Ford, GM Brasil confirma investimentos bilionários no País

A General Motors do Brasil confirmou que será realizado investimentos que somam R$ 10 bilhões, previamente à pandemia

Brasil – Após a montadora Ford anunciar nesta segunda-feira (11) que fechará suas fábricas de veículos no País, a A General Motors do Brasil (GM do Brasil) confirmou que será realizado investimentos que somam, aproximadamente, R$ 10 bilhões, planejados pela empresa previamente à pandemia. A informação é do site car.blog.br.

Os aportes da empresa serão feitos no estado de São Paulo e são estratégicos para o desenvolvimento e a produção de veículos inéditos, como a Nova Montana, a sucessora da Spin, nova geração da S10, e um SUV para concorrer com o Taos, além da ampliação da oferta de equipamentos, entre eles os exclusivos OnStar e o Wi-Fi nativo.

Somando o plano do quinquênio anterior, de R$ 13 bilhões, a GM aportará o maior montante de investimentos de uma empresa na história da indústria automotiva brasileira no período de uma década.
A indústria automotiva comercializou 1,9 milhão de automóveis e comerciais leves ao longo de 2020. A marca líder no período foi a Chevrolet, com uma participação de mercado de 17,4% e 338,6 mil unidades vendidas. Este é o quinto ano consecutivo de liderança da marca no Brasil, um feito inédito para a General Motors no país.

Ford deixa o Brasil

A montadora Ford anunciou nesta segunda-feira (11) que fechará suas fábricas no Brasil. Serão fechadas as plantas de Camaçari (BA) e Taubaté (SP). Será mantida apenas por alguns meses a produção de peças para suprir o estoque de pós-venda. A fábrica da Troller, em Horizonte (CE), será fechada no último trimestre de 2021.blankblank

O mercado nacional será abastecido com veículos produzidos, principalmente, na Argentina e no Uruguai, países cujas operações da empresa não serão afetadas. A montadora encerrará as vendas dos modelos EcoSport, Ka e T4 assim que terminarem os estoques.

A empresa manterá apenas o Centro de Desenvolvimento de Produto, na Bahia; o Campo de Provas, em Tatuí (SP); e sua sede regional em São Paulo.

A justificativa é a crise gerada pela pandemia que atinge o mundo desde o início de 2020. Segundo a Ford, a pandemia da covid-19 “amplia a persistente capacidade ociosa da indústria e a redução das vendas, resultando em anos de perdas significativas”.

“A Ford está presente há mais de um século na América do Sul e no Brasil e sabemos que essas são ações muito difíceis, mas necessárias, para a criação de um negócio saudável e sustentável”, disse Jim Farley, presidente e CEO da Ford.

A companhia não informou qual será o número de funcionários demitidos, disse apenas que trabalhará “com os sindicatos, nossos funcionários e outros parceiros para desenvolver medidas que ajudem a enfrentar o difícil impacto desse anúncio”.

Anúncio