Aumento na produção de motocicletas no País gera novos empregos no PIM

Segundo o presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian, o aumento na produção já tem gerado novos postos de trabalho, em Manaus. A expectativa é de que 1,1 milhão de motocicletas sejam produzidas, no País, em 2019

Manaus – A Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo) divulgou, na manhã desta quarta-feira (10), os novos índices de projeção para a indústria de motocicletas no País. Segundo o presidente da associação, Marcos Fermanian, o aumento na produção já tem gerado novos postos de trabalho, em Manaus. A expectativa é de que 1,1 milhão de motocicletas sejam produzidas, no País, em 2019.

Segundo Fermanian, no auge da produção, que compreende o período antes da crise financeira vivida no País, as indústrias chegaram a fabricar mais de dois milhões de motocicletas. À época, as empresas empregavam em torno de 20 mil funcionários diretos. Atualmente, cerca de 12 mil funcionários ocupam as vagas do ramo.

“Com essa retomada do mercado, novos postos de trabalhos já foram abertos. Quem consolida os dados do setor é a Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus), e ela ainda não disponibilizou o fechamento de 2018. Mas a notícia boa é que, concretamente, o número de postos de trabalho já tem apresentado registro de crescimento”, afirmou Fermanian.

O presidente da Abraciclo ressaltou que a possibilidade de aumentar a produção é bastante significativa. De acordo com ele, para que a produção volte a atingir o patamar de dois milhões de motocicletas produzidas ao ano, seria necessário um prazo de pouco mais de dez anos, com o crescimento em torno de 5% a 10% em anos contínuos.

Para a associação, a expectativa é de que a produção, neste ano, atinja 1,1 milhão de motocicletas, o que representa uma elevação de 6,1%, comparado ao ano de 2018, quando 1,36 milhão de motocicletas foram produzidas. Em dezembro do ano passado, a Abraciclo estimava que seria produzido 1,80 milhão de unidades, uma alta de apenas 4,2%, número inferior a nova projeção.

Somente no primeiro trimestre deste ano, foram produzidas 276.835 motocicletas, no Brasil, alta de 6,6%, comparado ao mesmo período de 2018, quando 259.587 unidades foram fabricadas. Somente no mês de março, foram produzidas 91.537 motocicletas, comparado ao mesmo período do ano passado, quando 94.649 unidades foram fabricadas, o que representou uma queda de 3,3%.

Vendas no atacado e varejo

De janeiro a março deste ano, as vendas no atacado somaram 270.641 unidades, significando uma alta de 15,7%, pois, em 2018, foram produzidas 234.010 motocicletas.

Em relação aos emplacamentos, a Abraciclo divulgou que, segundo levantamento do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam), foram emplacadas, em 2019, 258.652 motocicletas. No mesmo período, em 2018, este número chegou a 219.304 unidades, o que representa alta de 17,9%, neste ano.

Com base nos dados trimestrais, a Abraciclo fez uma nova projeção anual que indica que, neste ano, para as vendas no atacado, a nova estimativa é de 1,60 milhão de unidades, o que significa um aumento de 10,7%, comparado ao ano anterior, quando foram vendidas 957.617 motocicletas.

No varejo, que são os emplacamentos, a nova projeção aponta a venda de 1,20 milhão de motocicletas, para este ano, com um crescimento de 8,5%, pois, em 2018, foram vendidas 940.108 unidades.

Exportações

No primeiro trimestre de 2019, foram exportadas 11.382 motocicletas, uma queda de 51,2%, em relação ao ano anterior, quando foram exportadas 23.320 unidades. Somente no mês de março deste ano, foram embarcadas 3.525 motocicletas, uma redução de 54,5%, em comparação ao mesmo mês em 2018, quando foram exportadas 7.747 unidades.

Segundo a Abraciclo, a Argentina foi o principal comprador de motocicletas brasileiras no primeiro trimestre deste ano, com 3.832 unidades, 37,7% do total. Em segundo lugar, aparece os Estados Unidos, com 21,9%, seguido do Canadá, com 14,7% de participação.

Desempenho por categoria

O ranking de motocicletas mais comercializadas no atacado aponta que a Street lidera as vendas no País, com 51,8% de participação, no primeiro trimestre de 2019. Em segundo lugar, ficou a Trail, com 19,4%, seguida da Motoneta (15%), Scooter (7,5%) e Naked (2,4%).

No varejo, os emplacamentos de Scooters, no primeiro semestre deste ano, somaram 18.730 unidade, alta de 7,3%, em comparação ao mesmo período de 2018, quando 17.451 motocicletas foram emplacadas. No mês de março deste ano, os emplacamentos desta categoria sofreram uma queda de 4,4%, comparado ao mesmo mês em 2018.