Banco da Amazônia amplia financiamento

O banco pediu mais recursos para ampliar o limite financeiro e o alcance do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe)

Manaus – Com cinco dias de operação do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), o Banco da Amazônia (Basa) já contratou mais de R$ 103 milhões dos R$ 157 milhões aprovados para a Instituição pelo Fundo de Garantia de Operações (FGO), instrumento criado para diminuir os riscos com as operações feitas por meio desse funding. O desempenho apresentado pelo principal banco de fomento da região Norte levou os gestores da Instituição a solicitar a ampliação do teto financeiro do programa para R$ 350 milhões.

(Foto: Divulgação)

“Em virtude dos problemas causados pela pandemia, já esperávamos que essa procura fosse grande. Acreditamos que até o início da próxima semana esses recursos se esgotem, daí a solicitação de expansão do FGO. Queremos atender o máximo possível de MEIs, micro e pequenos empreendedores que estão em dificuldades”, relata Valdecir Tose, presidente do Banco da Amazônia.

O Basa iniciou as operações com o Pronampe na última segunda-feira (6), atendendo empreendedores dos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins com financiamento para capital de giro, recurso que pode ser utilizado para pagamento de salários, de contas de energia e de luz, compra de matérias-primas e de mercadorias.

Criado pelo governo federal para socorrer microempreendedores individuais (MEIs), micro e pequenas empresas que estão com dificuldades financeiras impostas pela pandemia da Covid-19, o Pronampe tem como principais atrativos os encargos financeiros reduzidos, a facilidade para contratação e o prazo alongado para pagamento.

Com juros variáveis, compostos pela selic (atualmente em 2,25% a.a.) mais 1,25% ao ano, cada operação pode ser contratada apenas com o aval dos sócios, reduzindo, assim, os custos cartorários e o tempo para a operação do negócio. E o empreendedor tem 36 meses para quitação, já incluindo a carência de oito meses para o iniciar o pagamento.

Podem contratar as operações amparadas no Pronampe, os MEIs com receita igual ou inferior a R$ 81 mil, micro empresas com receita igual a R$ 81 mil ou inferior a R$ 360 mil e pequenas empresas com receita superior a R$ 360 mil e igual ou inferior a R$ 4,8 milhões. Essas informações estão presentes na carta encaminhada pela Receita Federal às pessoas jurídicas, de acordo com a portaria RFB nº 978, de 8 de junho passado. De posse da informação oficial, já é possível procurar o banco.