Bolsonaro diz que vetará novas parcelas de auxílio se Câmara aumentar valor

“Se pagar mais duas (parcelas) de R$ 600, vamos ter uma dívida cada vez mais impagável”, afirmou o presidente durante sua transmissão ao vivo semanal

Brasília – O presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou na sua transmissão ao vivo semanal que vetará a prorrogação do auxílio emergencial a informais por mais duas parcelas mensais se a Câmara dos Deputados aumentar o valor para além dos R$ 300 que o Ministério da Economia defende ser possível pagar.

“Na Câmara, vamos supor que chegue uma proposta de duas (novas parcelas) de R$ 300. Se a Câmara quiser passar para R$ 400, R$ 500, R$ 600, qual vai ser a decisão minha para que o Brasil não quebre? (…) É o veto”, disse o presidente na quinta-feira (11). “Se pagar mais duas (parcelas) de R$ 600, vamos ter uma dívida cada vez mais impagável.”

Bolsonaro afirmou que vetará a prorrogação do auxílio emergencial se a Câmara aumentar o valor das parcelas para além de R$ 300  (Foto: Divulgação/ABr)

No vídeo transmitido ao vivo, o mandatário sustentou que o gasto do governo federal com as três parcelas do auxílio emergencial previstas atualmente “deve chegar a R$ 150 bilhões”.

Isso porque, segundo Bolsonaro, entram na conta desembolsos “atrasados” para “o pessoal que está na malha fina” e, portanto, não teve autorização para receber o dinheiro.

“Não pode gastar mais R$ 100 bilhões, não tem como. Se fosse possível, gostaria de gastar”, disse ele, em referência ao que seria o custo de duas parcelas adicionais de R$ 600.

Antes de iniciar a explicação sobre um eventual veto à extensão do auxílio emergencial, Bolsonaro chegou a comentar que o gasto total de recursos dos cofres federais com medidas de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus “vai chegar na casa de R$ 1 trilhão”.